Concelho

400 dias para renascer a 223

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Emídio Sousa chamou também à atenção para as vias Feira-Arouca e para a Linha do Vouga. O autarca chegou mesmo a sugerir a Base Aérea de Maceda, enquanto alternativa à sobrelotação do Aeroporto Sá Carneiro.

Decorreu na passada sexta – feira, dia 29 de Junho, no salão nobre da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, a cerimónia de assinatura do Auto de Consignação da Empreitada de Reabilitação da EN223 – Arrifana/Feira, onde estiveram presentes o Presidente da Câmara Municipal Emídio Sousa, o Presidente do Conselho de Administração Executivo da Infraestruturas de Portugal (IP) António Laranjo e o ministro do planeamento e infraestruturas, Pedro Marques.

“Esta obra é uma pequena parte da reabilitação da nacional EN 223. Tinham-nos prometido que as obras iriam começar em 2018 e estou contente por terem cumprido. As pequenas obras em Portugal demoram muito tempo, mas ainda bem que ouviram uma das regiões mais exportadoras de Portugal. Espero que esta obra da Infraestruturas de Portugal corra o melhor possível”, afirmou Emídio Sousa na sua intervenção.

O autarca aproveitou o tempo que lhe foi atribuído para referir outros exemplos de melhoramentos ao nível da mobilidade que poderiam ser atribuídos ao concelho.

“Vou referir a Via – Feira Arouca. Pelo conhecimento que possuo só falta autorização das finanças e acho inaceitável que Arouca não tenha uma ligação ferroviária adequada”, declarou.

Também a linha ferroviária do Vouga foi tema na intervenção do Presidente da Câmara. No ano em que se celebram cento e dez anos do “Vouguinha”, o edil pediu a Pedro Marques “obras na infraestrutura”.

“Nós temos infraestruturas rodoviárias boas mas as ferroviárias não são boas. Sabemos que é uma obra cara mas é necessária e esta região precisa urgentemente de ligações ferroviárias de qualidade”, proclamou o autarca.

A sua intervenção terminou com uma sugestão no que às ligações aéreas diz respeito.

“É altura de repensar a estratégia dos voos com origem no Porto. O aeroporto Francisco Sá Carneiro está a ficar sobre lotado e já vi sugestões de construção de mais uma pista. Porque não utilizar a Base aérea de Maceda, aqui ao lado, como ponto de recepção, também, de voos civis? Na Europa já existem aeroportos germinados com voos militares e civis. Este aeroporto tinha condições perfeitas para vir a acolher, no espaço de pouco tempo e com pouco investimento, voos civis”, sugeriu Emídio Sousa.

Leia mais na versão impressa do Jornal N