Concelho

Apresentado Roteiro concelhio de Arte Urbana

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

O Roteiro de Arte Urbana de Santa Maria da Feira foi apresentado na passada quarta-feira, diz 10 de Outubro. Às já existentes obras de Vhils (Praça Gaspar Moreira) e à fachada pintada de cores do Centro de Formação Cincork (Santa Maria de Lamas), juntam-se as obras decorrentes do concurso Urbanidades do Eixo, da autoria de Lidia Cao (Complexo habitacional do Balteiro) e de Tadeu Silva (Complexo Habitacional Xanana Gusmão – Lourosa). Na apresentação do circuito, o Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Gil Ferreira, realçõu o papel de “mediação” que a Arte Urbana pode desempenhar, afirmando que este seria um “primeiro passo” nesse mesmo sentido. “As obras que visitamos hoje dão mote a um movimento e deixam um lastro que fica, para sempre, na ligação ao labor, à vida no trabalho e ao território. O que até agora conseguimos é motivador, e o que se pretende é que a Arte Urbana desempenhe o papel de mediação. Este é um primeiro passo”- afirmou o responsável. Já Emídio Sousa, Presidente da Câmara Municipal, colocou a tónica na paisagem urbana, e na forma como o Município poderá aproveitar estas intervenções para dar cor aos lugares que o compõem. “Tudo isto está incluído numa aposta que temos, no sentido de melhorar a paisagem urbana. Santa Maria da Feira deve aproveitar as artes para decorar fachadas, jardins e as ruas. Como Presidente de Câmara, uma das coisas que mais me incomoda ouvir é alguém a queixar-se de que a Junta de Freguesia não limpa este ou aquele passeio, mas queremos ir muito para além disso. Alguns vão achar que seria mais importante gastar o dinheiro noutra coisa qualquer, mas esta é mesmo a nossa ambição”- considerou o edil.

Foi numa das fachadas do Complexo Habitacional do Balteiro, em Santa Maria da Feira, que Lidia Cao deu aso à sua arte, pintando uma figura feminina em tons de castanho e amarelo, e fazendo referência à indústria com a presença mais afirmada no território feirense: a Cortiça. “Para pintar esta obra inspirei-me no mundo da Cortiça, e particularmente na figura da mulher, reinvindicando o seu papel no mundo laboral” – explicou a artista.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.