Concelho

Arte com fogo

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Artesão feirense faz trabalhos em Pirogravura – gravura a fogo

Tem 64 anos. Chama-se Cândido Cardoso e as suas mãos transportam várias histórias. De vida, de suor, de trabalho, de arte. Construtor civil de profissão trabalhou na área na Suíça, país onde esteve imigrado durante 25 anos. Em 1999 um acidente de trabalho obrigou-o a deixar de exercer. Lesionou-se num ombro e partiu a clavícula. Numa clínica de reabilitação em Sión descobriu, então, outra arte. A Pirogravura chegava assim à sua vida.
“Estive na clínica durante um mês, a recuperar da operação que fiz. Depois dos tratamentos diários tínhamos que ocupar os tempos livres com alguma atividade. Vi a sala de pirogravura, entrei e observei o trabalho dos meus colegas. Gostei mas achei que não era capaz e, então, ia a sair da sala quando a professora me incentivou a ficar. Não sabe se é capaz se não experimentar, disse-me na altura. Tentei e gostei do resultado final e ainda guardo o meu primeiro trabalho, ofereci-o à minha mulher no seu aniversário e era um coração. Desde essa altura nunca mais parei”, recorda o artesão, atualmente a viver em Rio Meão.
Regressou a Portugal há 11 anos. Trouxe, consigo, da Suíça, a máquina de Pirogravura que lá tinha adquirido. Ainda a guarda e é nela que, atualmente, ainda faz os seus trabalhos.
“Agora estou em casa e, então, como tenho bastante tempo livre, faço estes trabalhos. Não vivo disto e a maior parte dos trabalhos são para oferecer mas tenho muito gosto em dar e ver as pessoas felizes. Gosto de saber que elas gostam do meu trabalho e fico orgulhoso por isso”, afirma Cândido.
A pirografia é a arte de decorar madeira ou outros materiais com marcas de queimadura resultantes da aplicação controlada de um objeto aquecido. De origem grega a palavra significa escrita através do fogo.
Já perdeu a conta a quantos quadros fez mas em Santa Maria da Feira os seus trabalhos já decoram as paredes de algumas instituições e associações concelhias.
“Já fiz trabalhos para a Cerci de Lamas, para a Junta de Freguesia de Rio Meão, para o Clube de futebol de Lamas, enumera. Depois, para além destes que me pedem, faço outro tipo de trabalhos a gosto. O que gosto também é de desafios”, afirma Cândido, revelando uma história.

Leia mais na versão impressa do Jornal N