Concelho

Europarque em destaque

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

O Centro de Congressos do Europarque foi palco da discórdia antes da ordem do dia. No período para questões tanto o deputado da CDU Filipe Moreira como o deputado do Bloco de Esquerda Moisés Ferreira questionaram o presidente da Câmara Municipal acerca da gestão do centro de congressos.

“Saiu uma notícia no jornal de negócios que diz que o Europarque tem estado com menos atividade desde que passou para a gestão da câmara municipal e que tem estado a dar prejuízos. Relembrámos que esta infraestrutura foi construída com o apoio do governo na altura do senhor doutor Cavaco Silva com cerca de 35 milhões de euros e mais tarde recebeu ainda mais dinheiro quando passou para a esfera pública. Tem mais de 60 milhões de euros investido numa infraestrutura que é importante para o país e para a região norte mas as notícias que sairam preocupam-nos até porque os prejuízos que o Europarque der são prejuízos para o município e queremos que esta situação seja esclarecida o mais rápido possível. Em concreto qual é a perspectiva da Câmara municipal para repor os prejuízos?”, questionou Filipe Moreira. Seguidamente também Moisés Ferreira “voltou à carga”: “O Europarque é verdadeiramente o retrato de negócios do PSD. Inaugurado por Cavaco Silva, nacionalizado por Paços Coelho para safar as dívidas da AEP ( Associação empresarial de Portugal),integrado no município pela gestão municipal de Emídio Sousa como forma de transferir o prejuízo dos privados para a conta do município e depois de muitas promessas afinal o défice agravou-se e é o município que está a pagar esta decisão, que é gravosa. Todos nós sabemos que o senhor presidente da Câmara não se dá muito bem com os números. Toda a gente sabe que confunde salários de mil e tal euros com um salário mínimo mas mesmo assim arriscaria e perguntaria: lembra-se o senhor presidente da Câmara o que disse em fevereiro de 2015, certamente. Que a manutenção do Europarque seria de 300.000 euros ao ano e que as suas receitas seria de 750.000 euros ao ano. E sabe o senhor presidente aquilo que é o resultado do estudo que aliás foi apresentado na semana passada. A pergunta é muito simples. Está o senhor presidente em condições de admitir aqui que errou e que causou um prejuízo enorme para o município quando aceitou fazer a gestão municipal do Europarque? E já agora qual é o valor do prejuizo que a sua decisão acarretou?

Leia mais na versão impressa do Jornal N