Concelho

Já começou a viagem pela fome, peste e guerra

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Os portões de visita estão abertos. Já se ouvem os tambores, as gaitas, os passos de dança. A Viagem Medieval começou. Na passada quarta-feira, Santa Maria da Feira vestiu-se a rigor para dar as boas vindas à 21ª edição do mais reconhecido evento de recriação histórica nacional. As bandeiras de várias cores, penduradas nas janelas dos habitantes da terra das Fogaceiras, compõem o cenário e envolvem toda a comunidade. Ao longo de 12 dias de histórias, costumes e práticas medievais, a cidade transforma-se e recua no tempo através da adaptação do espaço, da dinâmica e das gentes.
A poucos minutos do começo da cerimónia oficial de abertura, os trajes já saíam à rua. Os estabelecimentos do centro histórico estavam igualmente decorados com acessórios que remetem para o passado, como armas de combate, partes de vestimentas, tapeçaria medieval. A própria cidade exigia a ordem oficial de começo. Às 15h00, na Nau posicionada junto à Casa do Moínho, ouviram-se as primeiras palavras de ordem. Depois de uma pequena demonstração, um falcão aterrou na proa da construção. Já na parte traseira, na popa, encontrava-se Emídio Sousa, Presidente da Câmara Municipal, acompanhado pelos trajados Gil Ferreira, Vereador da Cultura, e Paulo Sérgio Pais, responsável pela empresa Feira Viva, para que as portas fossem abertas de forma oficial. O pergaminho foi recebido e o Presidente da Câmara deu início ao seu discurso, arcaico, condizente com o espírito retratado na Viagem. “Eu, Emídio Sousa, pela graça de Deus, a quantos esta carta ouvirdes, saúde. Querendo fazer graça a todos os homens bons da Feira, de forma acostumada, mandamos e outorgamos que se faça e se possa fazer, no dito lugar, de hoje em diante, a Viagem Medieval em Terra de Santa Maria, até aos 13 dias de Agosto do ano de Cristo de 2017” – disse o presidente da Câmara.

 

Leia mais na edição impressa do Jornal N