Concelho

Museus recuam até tempos medievais

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Convento dos Lóios e Museu de Lamas dinamizaram áreas temáticas

Nem só de ambientes ruidosos e espaços abertos se fez a Viagem. Os Museus também tiveram direito à sua participação e ao seu espaço no evento, dinamizando um conjunto de actividades e exposições, trazendo consigo uma componente educativa e formativa, complementar às restantes dinâmicas do evento.
O Museu Convento dos Lóios vestiu-se a rigor. Com faixas que cobriram a entrada, remetendo os visitantes para períodos longínquos da história portuguesa, o espaço acolheu a exposição “Pedro e Inês”, correspondente ao tempo retratado na edição presente, que surge como uma adaptação do romance de Rosa Lobato Faria. “Pedro e Inês”, agora em filme, aparece narrado em três tempos distintos: primeiramente na idade média (onde a história verdadeira aconteceu), num presente difuso e num futuro distante. É ao longo desta viagem pelos vários períodos temporais que os amantes se vão encontrando, e se assiste aos avanços e recuos característicos de uma relação.
As filmagens relativas ao período medieval obrigaram à concepção de vários objectos para as diferentes cenas, sendo que alguns adereços para a rodagem do filme foram mesmo cedidos pela Viagem Medieval. A exposição surge, assim, apresentada sob três tópicos principais: a exposição do trailer do filme, várias fotografias do making of (do período medieval) e recriação de três ambientes. A exposição espalha-se por vários compartimentos, e primeiramente assiste-se à coroação de Pedro e Inês, caracterizado com pendões ritmados e coma bandeira de Portugal do século XIV. Era possível observar-se, também, uma passadeira vermelha e dois tronos, no espaço da Igreja. Seguimos pois, então, para os aposentos de D. Pedro e de Inês. As instalações do rei, em tons de dourado e azul, reflectem a personalidade da personagem: boémia e ostensiva, enquanto os de Inês apresentam a típica cama de dousel, com o vermelho como cor de fundo, pela sua morte trágica. Com Joana de Verona (Inês) e Diogo Amaral (D. Pedro) como protagonistas, o filme tem data de estreia prevista para o próximo mês de Outubro, e terá a duração de duas horas.

Leia mais na versão impressa do Jornal N