Concelho

Nbom: “Brinquedos” a sério para meninos grandes

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

São carros, barcos, aviões muito parecidos com os reais, a uma pequena escala, todos disponíveis na SPOTRC. O negócio de Bruno Andrade e Fernando Silva pode parecer uma brincadeira, mas é bem real e muito diversificado”.

Bruno Andrade e Fernando Silva vieram para Santa Maria da Feira há seis meses para trazer a paixão pelo modelismo para a cidade. Sócios, começaram por uma loja online com poucos produtos, mas o sucesso do negócio levou-os a procurar um espaço físico para os amantes da prática.
O centro de Aveiro era o objectivo, mas a loja de brinquedos Brincafeira perfilou-se como uma boa oportunidade que levou os dois amigos a apostar na cidade. Agora, trazem nova clientela para o concelho. “Éramos os dois praticantes de modelismo, o Fernando há oito anos e eu há uns seis anos. Começamos com pequenos artigos de baixo custo mas em meio ano crescemos”.


Bruno Andrade admite que “a maior parte dos clientes são de Lisboa, embora haja muita concorrência lá em baixo, como somos praticantes acabamos por conhecer muita gente na área que são amigos e clientes”. “Acabamos por fazer o que a maior parte das lojas não faz, não vamos expor produtos para os encontros, vamos para praticar, levamos os nossos carros para competir e as pessoas acabam por dar valor a isso” – diz. Fernando Silva concorda com o colega. “Como estamos no terreno a testar o material, também conseguimos ter outro conhecimento”.
A aposta em novas marcas na área do modelismo é outro factor diferenciador da loja de Santa Maria da Feira. “Trouxemos novas marcas alemãs para o mercado, que estavam escondidas e ninguém vendia, exigimos ao importador nacional que as começasse a representar e o investimento foi nosso. Hoje em dia, não há mãos a medir para essas marcas e estão à venda em todas as lojas espalhadas pelo país”, conta Bruno Andrade. E são muitas as lojas e muita a concorrência no negócio, “há muita concorrência, porque as lojas também patrocinam equipas, o que torna o negócio muito competitivo” – explica o proprietário.

Leia mais na edição impressa do Jornal N