Concelho

Praia, Música e Poesia

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

São uma banda exclusivamente feirense. Nasceram há cerca de dois anos, como banda de garagem. O conceito atual veio depois, até porque de entre os elementos existe “um poeta contemporâneo”.
Definem-se com um estilo “rock literário” porque os Bookkepers (Guarda – Livros)
“exploram a musicalidade dos textos poéticos como forma de homenagear fragmentos da paixão de poetas”.
Em parceria com a Orquestra Milheiroense atuam, no próximo dia 22 pelas 21:30, na praia da Mamoa em Milheirós de Poiares num concerto que marca o encerramento da época balnear 2018 na praia e, ao mesmo tempo, também o encerramento do festival Artes em Itinerância.
Meco Dabenda, Marcelo Alves, Nuno Sid, Paulo Valente , Paulo Santos e, ocasionalmente, Pedro Lamas são os Bookkepers, que nos falaram da paixão musical e literária que os une.

“Nasceram em Agosto de 2016 e, no seu percurso, contam já com a gravação do seu primeiro E.P, denominado “Mistral” – “quatro canções inundadas de mar e de poesia”.
O nome do seu primeiro E.P, contam, homenageia Mistral, um vento do norte, seco e frio, também conhecido por “vento de Outono”. É, também, o nome de um navio onde as canções começaram a ser forjadas, algures no mar do norte” – é o epílogo que os define.

As músicas são todas originais. A letra, essa,só tem um critério exclusivo: são poemas.
“O nosso estilo é um rock mais poético, um rock literário. Os poemas são escolhidos ao acaso, sem critério. São poemas que gostámos, e, se gostámos, depois compomos a música que irá ficar por detrás dessa letra já escrita. Depois, procurámos não ter qualquer entrave à criação, isto é, se o poema nos sugere um estilo nós vamos atrás”, explicam.

A parceria no próximo dia 22 com a Orquestra Milheiroense, de Milheirós de Poiares, não foi escolhida ao acaso.
“O interessante é mesmo fazer a fusão entre a banda de rock e a orquestra porque a orquestra está composta por cordas, madeiras e metais e nas cordas temos violinos e violoncelos, nos metais vamos ter trompete e trombone e nas madeiras temos flauta, clarinete e saxofone. Depois na banda temos bateria, baixo, guitarra, teclas, voz e guitarra acústica”, enumeram.

Leia mais na versão impressa do Jornal N