Concelho

Santa Maria da Feira passa no teste da Matemática

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Município é dos mais eficientes nas contas entre os concelhos da AMP

O Município de Santa Maria da Feira é o segundo melhor cotado no Ranking de Eficácia Financeira, lançado pelo Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses (2017), sendo apenas suplantado pelo Município do Porto, que assume a liderança entre os territórios pertencentes à área Metropolitana do Porto (AMP). Na pontuação obtida, feita através da medição de 11 indicadores (dos quais são exemplo o índice de liquidez, prazo médio de pagamento, dívida total, taxa de cobertura financeira da despesa, impostos diretos e passivo por habitante), Santa Maria da Feira amealha 1253 valores, valor que representa mais do que o dobro da pontuação de municípios como Espinho (462 valores), São João da Madeira (601 valores), Valongo (566 valores) ou Vale de Cambra (561 valores).

3º Lugar na dívida por Habitante
Entre os dezassete municípios que compõe o coletivo de territórios, Santa Maria da Feira é também medalha de bronze no que diz respeito ao valor da dívida por habitante, ocupando o terceiro lugar do ranking com uma média de 200 euros por habitante, valor que é inferior apenas nos municípios do Porto (179 euros/habitante) e de Arouca (149 euros/habitante). Espinho é o município da AMP com o valor mais elevado de dívida por habitante (819 euros/habitante), seguindo-se a Trofa (776 euros/habitante).

7º Lugar na Dívida Total
No que diz respeito à dívida total do Município, Santa Maria da Feira aparece no sétimo lugar, contabilizando um valor total de 27,8 milhões de euros em falta. No topo dos municípios menos devedores da AMP está o território de Arouca (3,3 milhões de euros), São João da Madeira (6,9 milhões de euros), Vale de Cambra (13,5 milhões de euros) e a Póvoa de Varzim (13,8 milhões de euros). Pelo vértice contrário, no topo da tabela dos municípios com um maior total de dívida acumulada, estão as regiões de Vila Nova de Gaia (142 milhões de euros), Gondomar (97,4 milhões de euros), Matosinhos (60,4 milhões de euros) e Paredes (54,5 Milhões de euros).