Concelho

Sejam Bem – Vindos ao Refúgio da Viagem

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Sejam Bem – Vindos ao refúgio da Viagem

Mesmo antes de chegar ao castelo, os banhos de São Jorge convidam ao restabelecimento de energias.

Ainda é desconhecido por muitos mas já está, cada vez mais, a ser procurado. É o lugar primordial para quem quer descansar da viagem, sair um pouco da folia e retemperar energias.
Nos jardins da quinta do castelo esperam-no unguentos, lava – pés, massagens infantis, penteados de princesa e até pac´s a dois para os mais apaixonados. Teresa Vieira, administradora das Termas das Caldas de São Jorge conta como tudo começou.
“As termas já apresentam este espaço neste local há 10 anos. Este é o 11º ano que nós fazemos os banhos na quinta, embora tenhamos tido uma primeira edição junto ao castelo, no exterior, que começou por ser uma forma de resolver uma zona menos bonita que era preciso resolver onde agora está o restaurante e logo naquele ano percebemos que havia aqui um potencial quer para apresentar uma nova oferta ao público quer para divulgar as termas. Então percebemos que tinha que ser uma área temática e o único sítio possível para nós seria no lago, na quinta do castelo”.
Ali se instalaram e, desde aí, “tem vindo sempre a crescer”. A relação com a natureza e o elemento água faziam daquele lugar o único possível “pela relação com a natureza, pela possibilidade de ter o elemento água sempre presente e pela possibilidade do isolamento que este espaço nos confere. O objetivo é desligar do rufar dos bombos, da confusão, da multidão, de tudo aquilo que as pessoas procuram na viagem e encontram na viagem mas que por alguns momentos desligam e reequilibram porque vão retemperar as energias”, afirma a responsável.
O aumento de visitantes é notório.
“Ano a pós ano nós temos tido um crescimento na procura e acima de tudo um crescimento nos complementos, ou seja, a pessoavem numa primeira veze quer conhecer o espaço mas depois regressa e já quer fazer as restantes experiências e normalmente quando experimenta os unguentos passa a ser cliente dos unguentos. Este ano tivemos ainda uma particularidade que foi abrirmos os banhos um dia de manhã só para o staff da viagem e portanto no fundo,proporcionámos a quem trabalha e labuta 12 dias na viagem que a meio do percurso possa vir aqui também relaxar um pouco entre voluntários, regatões, artífices, pessoal das tabernas ou dos restaurantes e foi girissimo durante a manhã irem passando por cá as pessoas que vieram também usufruir um bocadinho da viagem, recuperar um bocadinho e mais massagistas nós tivéssemos mais massagens nós teríamos feito e obviamente que temos uma atenção especial por estes nossos colegas que nos ajudam.
Questionada acerca da experiência na totalidade e sobre o que é que os visitantes podem usufruir Teresa explica que a oferta é imensa.
“Nós não temos aqui o mais importante das termas que é a água mineral natural mas conseguimos passar o conceito que é cuidarmos e melhorarmos o nosso bem estar através da água e tirando partido dela, por um lado através dos duches e depois já numa fase de repouso através da hidratação com o chá porque é muito importante re-hidratar a beber o chá porque é um deleite de paisagem, um deleite de património edificado e um deleite também de património natural seja pela música, pela arpa que é uma imagem de marca desde que viemos aqui para a quinta, pois temos sempre arpista à tarde e à noite a tocar ao vivo durante todo o período em que temos a área a funcionar mas também depois ainda complementado por episódios e pormenores de dança de bailado que não criando ruído em toda a linguagem do espaço também convidam ao relaxamento e ao bem estar e porque as coisas bonitas nos fazem sempre bem e também contribuem para que nos sintamos ainda melhor”.

Leia mais na versão impresa do Jornal N