Economia

Amorim leva cortiça ao coração de Nova Iorque

 | 

António Rios Amorim, o CEO da Amorim, líder mundial do setor da cortiça, apresentou um projeto denominado City Cortex que pretende conquistar Manhattan, Nova Iorque, em 2020, e mostrar que a cortiça tem utilidades que ultrapassam a produção de rolhas. Assim, em parceria com a “experimentadesign” (uma unidade de pesquisa, difusão e produção de conhecimento nas áreas do design, arquitectura e cultura de projecto), lançou o desafio a cinco estúdios de design e arquitetura: “criar instalações em cortiça destinadas ao espaço público, para que qualquer cidadão possa usufruir delas”.

A partir de junho, os resultados poderão ser vistos na metrópole estadunidense, sendo que os projetos ainda por revelar, podem ir desde parques públicos, a estações de metro ou lóbis de edifícios públicos. Segundo o empresário, a cidade de Nova Iorque foi selecionada para causar maior impacto na transmissão desta mensagem de que a cortiça pode ser aplicada ao urbanismo, e também pelo facto de os Estados Unidos utilizarem a cortiça industrialmente há décadas, nomeadamente para uso espacial. Recorde-se que a Corticeira Amorim, sediada em Santa Maria da Feira está implantada em mais de uma centena de países.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.

Artigo editado e corrigido a 29/10/2019.