Economia

Feira no top 10 das exportações de 2017

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Santa Maria da Feira foi um dos dez municípios mais exportadores do país em 2017, acumulando a quantia de 1 363 milhões de euros e assumindo um lugar cimeiro na lista avançada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O território fogaceiro aparece à frente de municípios como o Porto (1 045 milhões de euros), Matosinhos (905 milhões de euros), Oliveira de Azeméis (893 milhões) e Aveiro (714 milhões).
Em 2017, as exportações portuguesas contabilizaram 55 097 milhões de euros, sendo que, neste “bolo”, a “fatia” de Santa Maria da Feira corresponde a 2,5%. Um peso e um valor que, segundo Emídio Sousa, representa um “bom resultado”, mas que não deixa de ser “curioso”. “Há dois anos estávamos no décimo lugar, agora estamos no nono, mas estou convicto que até estaríamos algures entre o quinto e o sexto lugar. Muitas das empresas de Santa Maria da Feira têm as suas sedes em Lisboa ou no Porto, e penso que os valores quer do distrito de Lisboa, como do distrito do Porto, estão muito inflacionados. Conheço bem a realidade e conheço algumas empresas da Feira que mudaram a sua sede para Gaia, por exemplo, por causa das questões relacionadas com a actuação das Finanças no distrito de Aveiro” – considera o autarca. Já no Congresso CIP 2018, o Presidente da Câmara Municipal aproveitou a presença de Marcelo Rebelo Sousa para denunciar a “perseguição fiscal” alegadamente praticada contra algumas empresas de Santa Maria da Feira, o que terá feito com que as entidades tenham movido a sua sede fiscal para outras regiões do país, mantendo toda a unidade de fabricação e produção em Santa Maria da Feira. “Estou convicto de que os nossos 1 360 milhões deveriam estar situados algures entre os 1 500 e os 1 600 milhões. Como é óbvio não conheço todas as empresas que saíram de cá, mas algumas das quais tenho conhecimento são nomes muito grandes, e estou certo de que se não existisse esta discrepância entre o local onde a empresa tem a sua base de produção e o local da sede, estaríamos algures entre o quinto e o sexto lugar” – acredita Emídio Sousa.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.