Economia

“Onde haja rolhas, onde haja vinhos ou bebidas, de certeza que temos algum produto nosso”

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Armindo Oliveira é o engenheiro eletrotécnico à frente da equipa de 11 colaboradores que constituem a EGITRON, uma empresa de engenharia e automação industrial que desenvolve soluções (equipamentos e software) para o controlo da qualidade e inspeção.
Apesar de ter a sua génese na indústria da cortiça e de estar sempre lado a lado com o sector, hoje a EGITRON cresceu também para outros sectores tais como a indústria automóvel, plásticos, têxteis, embalagem, alimentação e bebidas, apostando também no desenvolvimento de software para controlo estatístico do processo, com a pretensão clara de concorrer no mercado mundial.
Tudo isto, numa bela casa antiga na Vergada, muito perto de onde é natural…

Como nasceu a EGITRON?
Como EGITRON começámos em 1997, mas devo dizer que o projecto foi a continuação da empresa que criei em nome individual em 1991. Esta era uma empresa ligada à área da informática mas a indústria da cortiça começou a exigir controlo da qualidade e vi a oportunidade de desenvolver software e equipamentos nessa área. A partir de 2001 apostámos definitiva e unicamente no negócio ligado à automação industrial, inspecção de produtos e controlo da qualidade.

A EGITRON hoje tem diversas áreas de negócios…
A empresa está dividida em três áreas. Uma das áreas é o que continuamos a designar como produtos EGITRON, que são ligados fundamentalmente ao sector de rolhas e vidreiras. Trabalhamos com a maior parte das empresas do sector desde as pequenas empresas até aos grandes grupos como é o caso do Grupo Amorim. No fundo, basta que uma empresa tenha laboratório, para ter produtos nossos ou ter o nosso software de controlo de qualidade. Assim como a nível mundial, onde haja rolhas, onde haja vinhos, bebidas ou fabricantes de garrafas, de certeza que temos algum produto nosso. Neste momento já exportamos para mais de 40 países, o que representa entre 30 a 50 % de exportação, essa é uma das áreas.

Leia mais na edição impressa do Jornal N