Entrevista

“Há muita gente em sintonia com os valores da Igreja, ainda que muitas vezes não o manifeste”

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

A Quaresma foi o mote para a conversa com o pároco de Santa Maria da Feira, Escapães e Sanfins, Eleutério Pais. O pároco falou ao Jornal N da importância desta altura e não escondeu a profunda
admiração pelo Papa Francisco nem evitou as polémicas da Igreja. A mensagem do padre Eleutério não é só para os cristãos, “mas a todos os homens de boa vontade” para que “abram o coração aos outros”.

 

Porque é que a vivência da Quaresma é tão importante?
O tempo da Quaresma é um tempo muito próprio da vida da Igreja, muito caracterizado pela interioridade, pela penitência, mas também pelo recuperar a expectativa da alegria da Pascoa. É o tempo que nos prepara para o acontecimento maior da fé cristã, que é a morte e a ressurreição de Jesus. Durante este tempo ouvimos constantemente falar da importância da reconciliação, da abertura do coração aos outros, do valorizar as boas obras, do purificar o coração do que nos aprisiona para que esteja mais em Deus.

Os 40 dias são de penitência?
Vivenciamos este tempo como uma experiencia de deserto porque são 40 dias, como os que Jesus passou no deserto, como os 40 anos que Israel passou no deserto, como os 40 dias de prova de Jonas aos ninivitas. É fazermos a experiencia do abandono, da limitação, da abertura do coração a Deus, da confiança a Deus, da redescoberta da importância de Deus na nossa vida, de sentir que Deus tem para nós um projecto de vida de bem, de alegria e de felicidade, por isso, no meu entender o tempo da Quaresma é realmente um tempo de uma vivência extraordinária de espiritualidade de conversão de mudança da vida da redescoberta e também do amor aos outros.

Qual destas acções destacaria no momento actual da nossa sociedade?
Nós os cristãos temos de dar este testemunho de vida nova à comunidade em que estamos inseridos. É verdade que vivemos num mundo em que há muita gente que não tem experiencia religiosa, não tem fé, vive alheado destes momentos cristãos e por isso a sociedade em que vivemos tem de sentir que de facto nós aparecemos frente à sociedade com um coração novo, uma alegria maior, com uma abertura para o acolhimento mais forte. Porque a a palavra muito importante até dita por Jesus no Domingo passado é “Convertei-vos e acreditai no Evangelho” e isto é um bem para nós os cristãos e queremos que seja um bem também para o mundo. É bom que os outros vejam no nosso estar, nas nossas palavras, nas nossas atitudes que realmente queremos reconverter o coração, ou seja passar a uma vida mais verdadeira, mais santa, mais amiga, mais paciente e ao mesmo tempo que vamos pondo em prática os valores do Evangelho, porque é o que nos move.

Leia mais na edição impressa do Jornal N ou assine a versão digital aqui