Entrevista

“O espectáculo marcará pela intimidade e pela honestidade que transmite”

 | 

No próximo fim de semana, Santa Maria da Feira recebe uma das mais reconhecidas vozes da música contemporânea portuguesa. Carolina Deslandes traz “Casa”, o seu mais recente trabalho, ao Europarque, a 12 de Outubro, naquela que será a primeira aparição da cantora em território feirense. E a sala estará pronta para o acolher: o cenário será montado de forma a que se assemelhe a uma sala de estar, proporcionando um ambiente íntimo e honesto entre o público e o artista, encurtando a distância entre a voz e os aplausos e fazendo com que a experiência se torne tão rica para quem a pratica, como para quem a recebe. Em entrevista, Carolina Deslandes revela ainda que a principal inspiração para o seu mais recente disco foi a família e as experiências que tem vivido junto da mesma.

Esta é a sua primeira actuação em Santa Maria da Feira?

Sim, esta será a minha primeira actuação em Santa Maria da Feira.

De que forma é que o espectáculo no Europarque marcará a memória do público?

O espectáculo desta semana faz parte de uma tour que preparamos no início de 2019, e certamente marcará as pessoas pela intimidade e pela honestidade que se transmite. Montamos um cenário semelhante a uma sala de estar, e então é como se estivéssemos a receber os nossos melhores amigos na nossa própria casa. Num Mundo que, cada vez mais, corre a uma velocidade muito grande, e onde o entretenimento se sobrepõe, muitas vezes, à Cultura, é importante elaborar espectáculos que chamem as pessoas para perto. Que não sejam, somente, um show, mas algo também com uma vertente humana muito forte.

A Carolina tem-se afirmado como um dos nomes mais relevantes da música nacional contemporânea. Este “poder” da voz foi algo que sempre imaginou ter/quis?

Nunca pensei muito no “poder”. Aquilo que sempre pensei foi em conseguir fazer vida daquilo que eu mais gosto de fazer, que é cantar. Sempre pensei, também, que gostaria de fazer as minhas próprias canções, mantendo-me fiel a mim mesma, fiel aos assuntos sobre os quais eu acho importante falar, debater ou chamar a atenção para. Nesse sentido, considero que tenho feito um bom caminho. Tenho tentado sempre manter-me honesta comigo e com as causas que me movem.