Freguesias

Colégio de Lamas apresenta nova Carta Ética

 | 

Joana Vieira reforça a “inovação”, numa educação “voltada para o futuro”

O Colégio de Lamas, que conta já com 50 anos de história, apresentou publicamente o seu novo Modelo Organização Educativa e a sua Carta Ética.

“Educação para o futuro, inovação pedagógica, ética e humanismo constituem os imperativos fundamentais do projeto educativo do Colégio de Lamas, uma escola onde se aprende a aprender, onde se vive com alegria e onde se trabalha com responsabilidade e exigência, num ambiente pautado pelo respeito, pela liberdade, pela bondade e pela solidariedade”, afirmou Joana Vieira, Diretora do Colégio de Lamas.

No Modelo de Organização Educativa, o aluno é o protagonista do seu processo de aprendizagem, mobilizando conhecimentos, experiências e competências. Tem um papel ativo na concretização da sua aprendizagem e no seu desenvolvimento integral – cognitivo, emocional e ético. As equipas de professores estão organizadas numa lógica de ciclo, valorizando-se o trabalho colaborativo e em rede, sendo responsáveis pelo planeamento, concretização e avaliação dos projetos e pela articulação transversal dos currículos.

As metodologias de trabalho estão focadas no desenvolvimento de competências e de aprendizagens significativas, fomentando o trabalho colaborativo, o trabalho por projetos, as inteligências múltiplas e a aprendizagem pela descoberta. Em relação à avaliação, esta tem uma dimensão formativa e formadora, valorizando competências, conhecimentos e atitudes, envolvendo o aluno em processos de autorregulação e coavaliação.  Os alunos têm à sua disposição inúmeros recursos, privilegiando-se os digitais que se integram na aula e no trabalho de projeto, facilitando assim o desenvolvimento das capacidades de autonomia, o espírito crítico e a resolução de problemas e potenciando o aluno como criador do seu conhecimento. “O saber e o saber fazer são indissociáveis de aprender a ser. Cada aluno, partindo da sua interioridade, descobre e aprofunda o seu lugar no mundo, como sujeito comprometido e compassivo, na construção ativa do seu projeto de vida”, sublinha Joana Vieira.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.