Freguesias

A história de 38 anos do Centro Social Dr. Crispim

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

O Centro Social Dr. Crispim iniciou-se por ser uma associação fundada a 30 de janeiro de 1981 da vontade de determinadas pessoas da comunidade. Em primeira instância, na casa-mãe do Doutor Crispim, o apoio relacionou-se com a infância e, “ao aproveitar o espaço físico”, desenvolveram-se as primeiras respostas sociais. Atualmente, é uma instituição de solidariedade social, o que lhe confere “um sentido de utilidade pública”, no entanto, agora, necessita do apoio que têm vindo a prestar ao longo de 38 anos.

Que respostas sociais o Centro Social desenvolveu ao longo destes anos?

A associação, como era chamada na altura, inicialmente, abriu com respostas orientadas para a infância (creche e pré-escolar). Passado uns dois anos, avançou-se com a área dirigida aos séniores: um centro de dia e apoio domiciliário. Numa fase posterior, abriu-se a valência de ATL (Atividade de Tempos Livre) para as crianças quando saíssem da escola com atividades musicais, educacionais e, mais tarde, por necessidades sentidas no meio, houve a criação do lar residencial, em 1999, que funciona a 24 horas. Temos também um serviço de acompanhamento e atendimento social que trata do Rendimento Social de Inserção (RSI), jovens e crianças em situações de risco, ações sociais, etc.

Atualmente, quantos casos é que tratam sobre jovens e crianças em situações de risco?

Não temos uma percepção exata sobre isso, porque trabalhamos nessa área de ação social tanto com famílias beneficiárias do RSI que podem ter jovens ou crianças agregadas, como com famílias que têm vários tipos de problemas de inclusão. Paralelamente, damos apoio às Comissões de Proteção de Crianças e Jovens no sentido de que há situações que podem ser sinalizadas. A partir daqui, a técnica tentará fazer o levantamento sobre o que se passa e das intervenções a orientar com respostas a nível concelhio ou nacional, se for o caso. Realizamos assim um apoio pecuniário, se estiver inserido na nossa área de intervenção, uma vez que, nesta valência, atuamos em Milheirós de Poiares, Pigeiros e Romariz.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.