Freguesias

Lontra “à solta” no Rio Cáster

 | 

António Sá passava pelo centro da cidade de Santa Maria da Feira com um grupo de amigos quando avistou um animal “estranho” mesmo ao pé de casa, na margem do rio Cáster, na Rua dos Descobrimentos, no centro histórico.
“Vi a lontra e fiquei muito admirado, tinha entre 80 a 90 cm, peguei logo no telemóvel e tirei a fotografia, ainda ficámos a ver a lontra por uns momentos porque queria tirar mais fotos, mas ela fugiu para a água e não a vi mais” – conta.
Tudo aconteceu no dia 25 de Outubro, pelas 13h45. António Sá nunca tinha visto uma lontra no Cáster, muito menos no centro da cidade e ficou muito contente por ter conseguido a imagem. “Tirei a foto para a mostrar aos amigos porque nunca tinha visto nada disto, e toda a gente fica admirada. Também é bom mostrar que a diversidade existe e que o rio tem seres vivos a preservar, ainda hoje andam lá patos” – diz.
A intuição de António Sá estava correcta, porque se é difícil avistar uma lontra no rio Cáster, a imagem que conseguiu do animal é muito rara. A Associação Ambiental Amigos do Cáster, de Ovar, reuniu os especialistas na área ambiental para observar a fotografia, que não tem muita definição, mas confirmou que é uma lontra. “No banco de areia, no leito do rio, dá para ver pegadas de lontra e de garça-real” – explicam.
Pedro Teiga, responsável pelo projecto Laboratório de Rios Mais, defende que se alguém avistar uma lontra deve “usufruir desse momento raro porque é um privilégio observar a biodiversidade tão próxima”. O engenheiro ambiental admite que um avistamento no meio urbano não é comum mas explica que “as lontras estão a expandir o seu habitat, mas uma coisa é serem residentes, e outra é estarem de passagem já que elas percorrem muitos quilómetros por dia”.
O responsável do Laboratório de Rios Mais defende que poderia ser uma boa ocasião para começar a reabilitação do Rio Cáster, “já temos as lontras, agora podemos tratar da casa delas. Espero que a população abrace esta vontade de proteger a biodiversidade”.

 

Leia mais na edição impressa do Jornal N