Concelho

Mais procura por S.Maria da Feira

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

No concelho vivem cada vez mais cidadãos estrangeiros, vindos de vários países como Brasil e Venezuela

Em Santa Maria da Feira já não vivem só feirenses. É uma cidade multicultural cuja presença de cidadãos estrangeiros portadores de autorização de residência aumentou significativamente nos últimos anos, de acordo com os dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).
O Jornal N esteve à conversa com roberto Reis, técnico superior da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira e responsável pelo GACE – Gabinete de Apoio às comunidades emigrantes e pelo CLAIM – Centro Local de apoio à integração de migrantes – que nos explicou este fenómeno e nos falou da cada vez maior presença de cidadãos estrangeiros no concelho.
Outrora saíram da terra Natal à procura de condições de vida melhor, como fazem todos os emigrantes. Atualmente, regressam, vindos dos mais diversos países, em busca do mesmo.
“Santa Maria da Feira tem como marca ser uma cidade intercultural e ser uma cidade cultural permitindo uma troca fantástica que existem dezenas e dezenas de nacionalidades registadas”, afirma o técnico.
Esta é a razão por, no concelho, existirem quatro respostas plenamente estruturadas para o atendimento aos cidadãos. “Nós temos o gabinete de apoio às comunidades emigrantes que faz o trabalho concreto junto das comunidades emigrantes, os feirenses que estão um pouco espalhados por todo o mundo, depois temos o CLAIM, que é o centro local de apoio à integração de migrantes que trabalha com os cidadãos estrangeiros que procuram o município para no fundo exercer a sua atividade e para viver, depois temos uma outra realidade que é a emissão de certificados de residentes da união europeia ao cidadãos europeus que procuram o concelho para trabalhar num período superior a noventa dias e depois ainda temos uma outra que é uma realidade mais próxima que é famílias refugiadas que estão acolhidas no nosso concelho”, explica Roberto Reis.

Leia mais na versão impressa do Jornal N