Local

Um Passe Único para transportar Santa Maria da Feira

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Em entrevista, o Presidente da Câmara Municipal, Emídio Sousa, perspectiva aumento da procura pelos transportes colectivos, apontando o mês de Setembro como data prevista para o pleno funcionamento da nova dinâmica

O Passe Único é a mais recente aposta nacional no sector dos transportes. Esta nova modalidade permite ao utilizador viajar dentro do seu Município por 30 euros, e por 40 euros em qualquer outro Município da Área Metropolitana do Porto (AMP). O serviço arranca já hoje, dia 1 de Abril, e o Jornal N esteve à conversa com o Presidente do Município de Santa Maria da Feira, Emídio Sousa, sobre a iniciativa que visa, entre outros vários aspetos, instaurar uma transformação nas dinâmicas e fluxos dos transportes públicos. A empresa de transporte públicos Auto-Viação Feirense, conseguiu encontrar uma solução para a implementação do Passe Único no decorrer da semana transacta, solução essa que não permite ainda ao passe ser intermodal. No entanto, devido às “características das pessoas da Feira” e à carência de serviços de transportes coletivos, a iniciativa poderá apresentar uma “grande lacuna”, com Emídio Sousa a apelar à intervenção do Poder Central.

O que destaca sobre a implementação do Passe Único?

Primeiro, o principal impacto é o financeiro porque as famílias passarão a ter um preço inferior ao que têm atualmente. Em muitos casos, o transporte individual estava a ser competitivo com o transporte público. Havia situações em que ficava mais barato andar no próprio carro do que pagar o bilhete de autocarro. A partir de agora, pensamos que esse problema da competitividade financeira deixará de existir. Depois, há a questão do congestionamento e dos impactos económicos: constatámos que a maior parte da AMP apresenta problemas de congestionamento de trânsito, devido ao excesso de carros na rua. Pretende-se assim retirar alguns desses carros para que o trânsito flue mais corretamente.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.