Local

Quando os médicos e os enfermeiros voam como super-heróis

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Os profissionais das viaturas de emergência médica são seres humanos especiais preparados
para a realidade angustiante de tentar salvar e proporcionar o melhor tratamento possível
a quem está numa situação de vida ou morte.

Na rotunda do Hospital São Sebastião passa uma viatura de emergência amarela e azul, a sirene avisa sobre a urgência de chegar, a velocidade indica que há vidas em suspenso. Foi no dia e à hora da festa, quando se comemoraram 10 anos da VMER, mas os profissionais entraram na carrinha para garantir a alguém uma hipótese de sobrevivência, a melhor hipótese de sobrevivência.


No dia 7 Dezembro, às 11h00, o Hospital de S. Sebastião, em Santa Maria da Feira, comemorou 10 anos da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Centro Hospitalar de Entre o Douro e Vouga. O veículo de intervenção pré-hospitalar é especialmente concebido para o transporte rápido de uma equipa médica directamente para o local onde se encontra o doente. Um médico e um enfermeiro com formação específica em suporte avançado de vida e suporte avançado de vida em trauma são a tripulação que acelera ao local onde está a vítima com o equipamento de suporte avançado de vida.


A médica Julieta Vieira, e o enfermeiro Pedro Vieira, são os coordenadores da VMER, ela há 10 anos, ele há sete, o Jornal N foi conhecê-los. “É um serviço de apoio diferenciado, tentamos levar o hospital à rua, não só com meios técnicos mas também com a experiência humana do serviço de urgência, tentamos dar o melhor possível pelas pessoas que precisam” – explica Pedro Vieira.


O serviço da VMER em Santa Maria da Feira conta com cerca de 30 profissionais de saúde, “com uma formação especifica para exercer esta actividade, lidamos com situações de doença súbita, com situações de trauma e estamos a falar numa abordagem pré-hospitalar onde é importante conhecer bem o sistema integrado de emergência médica, porque trabalhamos com os nossos parceiros no terreno” – adianta a médica.

Leia mais na edição impressa do Jornal N