Uncategorized

Aliança sublinha “mobilidade e as infraestruturas” como matriz principal em Aveiro para as Legislativas

 | 

Alberto Malta, mandatário da Aliança por Aveiro, defende que a melhoria da qualidade de vida das pessoas “é possível” através da “promoção do desenvolvimento das empresas” e que o objetivo para a região aveirense é a de “promover formas de melhorar a mobilidade e as infraestruturas”

Que balanço faz sobre a atual legislatura?

Alberto Malta: Faço uma avaliação extremamente negativa. Esta legislatura para mim foi das piores; pior que a do período da Troika, apesar de haver alguns aspetos positivos.

Quais são os aspetos mais negativos que aponta nesta avaliação?

Os pontos mais negativos que eu vejo têm sido a constante desresponsabilização pelos atos da governação e também o constante aumento de impostos para cobrir as grandes falhas da governação na má gestão e nas más decisões que o Governo realizou.

Que previsão faz relativamente ao partido Aliança para as eleições de 06 de outubro?

A Aliança é um partido que ainda tem grande dificuldade em passar a mensagem. A mensagem tem sido cortada pela maioria dos órgãos de comunicação social que só relevam, pontualmente, algumas atividades do nosso líder, Pedro Santana Lopes; sendo que este é um dos aspetos a referir como negativos, pois dão primazia aos partidos do poder que fazem a gestão das benesses entre eles.

É objetivo da Aliança conseguir, pelo menos, um deputado pelo círculo eleitoral de Aveiro? Ou ambicionam mais do que isso?

Costumo dizer que a ambição nunca é demais, mas sim, ficaríamos satisfeitos se elegessemos um deputado e o nosso trabalho conjunto é nesse sentido. Sabemos das imensas dificuldades da falta de meios para a campanha. O nosso partido não tem dinheiro suficiente para distribuir pelos distritos; a campanha é toda suportada pelos militantes e são estes os constrangimentos com que trabalhamos, o que torna o trabalho um pouco mais difícil.

Quais são as principais matrizes que a Aliança apresenta para estas eleições legislativas?

Temos algumas matrizes a defender, de âmbito local, para o concelho, e um dos aspetos mais importantes é a mobilidade. O objetivo é promover formas de melhorar a mobilidade e as infraestruturas ligadas a ela. Temos vários meios de mobilização que foram desativados com o passar dos anos, como é o caso da linha Vale do Vouga, e que nós pretendíamos que fosse reabilitada e transformada para permitir a deslocação das pessoas destes concelhos próximos. Temos também o ponto da isenção das portagens para os residentes que se situam ao longo destas vias (a A29, A17 e A25) e temos uma infinidade de carências de projetos que estão para ser concretizados há muitos anos e que não se concretizam.