Música

Bruno Monteiro: violinista de Lamas em destaque na Revista Forbes

 | 
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Pin on Pinterest

Bruno Monteiro é um violinista aclamado internacionalmente, mas ficou surpreendido com a crítica da revista norte-americana que o coloca a par dos melhores intérpretes do mundo. O penúltimo disco do violinista de Santa Maria de Lamas, “Szymanowski!, chamou a atenção do crítico Jeans F. Laurson que o colocou em destaque na Revista Forbes da última semana.

 

Ficou surpreendido com esta menção pela Forbes?

Sim fiquei, não estava nada a contar. Foi uma surpresa muito agradável, um português no meio de tanta coisa feita no Mundo inteiro. No meio de tantos discos na música clássica, ser seleccionado para a Forbes não é todos os dias que acontece.

 

O que é que pode significar esta crítica em termos de reconhecimento? Já obteve críticas muito positivas por todo o Mundo…

Sim, em Portugal, em Espanha, no Canadá, na Alemanha, na Áustria, acima de tudo valorizo ser reconhecido pelo crítico que é. Jeans F. Laurson. É um dos mais reconhecidos a nível internacional na musica clássica e também pela revista que é. Sei que às mãos desses crítico chegam centenas de cd’s todos os meses, e depois a crítica também é uma comparação com uma violinista alemã… quer dizer…  e juntamente com os melhores intérpretes internacionais… Alguém que passa a vida a viajar e a ver concertos, sim, foi de facto uma surpresa.

 

Porque é que este álbum é tão especial?

Foi a primeira vez que toda a obra de Szymanowski foi gravada, há a comparação com a violinista alemã que gravou algumas obras, mas o disco que lancei em 2015 é o que tem toda a obra para violino e piano, no mundo não existe mais nenhum. Isso contribuiu para o impacto do CD duplo, e atraiu a atenção do público e da crítica.

 

Foi um trabalho intenso…

Foi um trabalho muito grande, falamos de obras que nunca tinham sido tocadas e gravadas…foram três meses a estudar muito, muitos ensaios, foi um trabalho muito cuidadoso.

Leia mais na edição impressa do Jornal N ou assine a versão digital aqui