FIFA quer mexer nos contratos dos jogadores – solução para o regresso dos ‘profissionais’

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A FIFA quer alterar a duração dos contratos dos jogadores e proceder a mexidas no mercado de transferências. Estas alterações prendem-se com a pandemia da covid- 19 que está a parar globalmente o futebol e poderão permitir o regresso
do futebol profi ssional nos meses de Junho e de Julho como é desejo das federações.
Em Portugal, a Liga de Clubes ainda não vislumbra uma data concreta para o regresso da Liga Nos (I Liga) e da Liga Pro (II Liga), mas se a FIFA aprovar o aumento da duração dos contratos dos jogadores profissionais de futebol, tal facilitará o que vier a ser decidido pela Liga de Clubes quanto à retoma das suas competições.
Por norma, os contratos dos jogadores terminam no final de cada temporada, o que acontece no fi m do mês de Junho. Uma situação que face ao surto do coronavírus e o adiamento por tempo indefinido das principais ligas mundiais não deverá acontecer este ano.
A FIFA propõe que os contratos sejam prolongados até ao fi nal da temporada, um princípio que se aplica também aos contratos dos jogadores já contratados para a próxima temporada. Ou seja, até que a nova época tenha início estes contratos não se encontram em vigor.
A FIFA, órgão que tutela o futebol mundial, lança ainda um apelo para que sejam encontradas soluções durante o período em que o futebol está suspenso, “com o objetivo de proteger empregos e alcançar um equilíbrio justo e razoável de interesses entre jogadores e clubes”, incentivando, por isso, estas duas partes a trabalharem em conjunto.

E o que fazer ao lay-off dos clubes?

Sabendo-se que alguns clubes já entraram no sistema de lay-off , a FIFA recomenda que sejam analisados “todos os aspetos de cada situação de forma imparcial, incluindo as medidas governamentais existentes para apoiar clubes e jogadores e se o pagamento de salários deve ser diferido ou reduzido”, bem como a percentagem que deve fi car a cargo dos seguros.
Não havendo um entendimento entre clubes e jogadores e a situação chegue à FIFA, o órgão que tutela o futebol mundial faz desde já saber que os factos a analisar serão “se houve uma tentativa genuína do clube de chegar a um acordo com os jogadores; qual a situação económica do clube; a proporcionalidade de qualquer ajuste nos contratos dos jogadores; a posição do lucro líquido dos jogadores após qualquer ajuste do contrato; e se os jogadores foram tratados ou não de
igual forma”.
Em relação ao período de transferências de profissionais de futebol, a FIFA assinala que é necessário ajustar o mercado ao cenário que se vive atualmente a nível global.
A FIFA vai, por isso, vai permitir que as janelas de transferência sejam iniciadas no final desta temporada e até ao início da nova época.