Aplicação Covidografia faz autoavaliação sintomática do coronavírus na população

Rui Costa, um dos coordenadores da plataforma Covidografia, em entrevista.

 

A plataforma Covidografia é a mais recente iniciativa do grupo Tech4Covid19, que junta vários voluntários do setor da tecnologia. Com a plataforma, é possível responder a questionários de autodiagnóstico diários que preveem a descrição de
sintomas e qual o estado de confinamento da pessoa. A plataforma pretende recolher informação à escala nacional, que voluntariamente, os cidadãos fornecem. Os dados são recolhidos de forma anónima. Nesse sentido, o Jornal N, falou com Rui Costa, um dos coordenadores da plataforma Covidografia, que explicou em que consiste o projeto desenvolvido, como é que as pessoas podem aderir à plataforma e qual o número de portugueses inscritos na mesma.

Como surgiu a ideia para o projeto Covidografia?
Existe um grupo de fundadores de startups tech e que, num sábado à tarde cerca de 20/30 pessoas falavam como nós podíamos usar as nossas skills para ajudar no combate à pandemia. Começaram a surgir várias ideias e, ao fim do dia já éramos 200 pessoas e hoje, estamos nos 5000 voluntários. Uma das ideias que surgiu foi fazer uma análise ou recolher informação sobre o estado sintomático da população.
E, com isso conseguir prever o surgimento de surtos em determinados códigos postais. Esta ideia,surgiu de forma orgânica de um movimento de voluntários. Fomos falando com médicos, com universidades estrangeiras como Harvard e Queens College, que também estão a recolher inquéritos sintomáticos para fazer previsões.

Qual o objetivo da plataforma?
A plataforma não tem noção específica de um indivíduo mas tem noções agregadas, ou seja, o que nós conseguimos perceber é olhando, por exemplo, para um código postal ver se a incidência de um determinado tipo de sintomas está a evoluir ou não. E através disso, consegue-se fazer uma previsão do surgimento de surtos naquele código postal. E assim, consegue-se tomar medidas de confinamento mais cedo e contar mais rapidamente o surto.

Há quanto tempo a plataforma foi lançada?
A ideia começou há seis semanas e a plataforma lançada há três.

Quais as vantagens do uso da Covidografia?
A recolha permite aos utilizadores da plataforma acompanhar, em tempo real, os sintomas de outros utilizadores na mesma área geográfica.
O cidadão pode contribuir para uma análise da doença, para que as entidades tomem decisões de confinamento ou não de forma a conter da melhor forma o surto. Prezamos, também, a privacidade dos utilizadores.
A nossa base de dados separa as informações da pessoa dos sintomas.
Por exemplo, um estudo realizado no Reino Unido permitiu que a falta de olfato e paladar fossem um indicador forte do covid-19 e, isso foi validado através de uma análise de função sintomática.

Os dados recolhidos através da plataforma são utilizados por quem?
Estamos a tentar integrar os dados nos sistemas da SPMS, que é basicamente a parte tecnológica da DGS, mas é um processo extremamente lento. As pessoas com quem estamos a partilhar os dados, de forma totalmente anónima, são institutos de investigação. Isso permite analisar, de melhor forma, a doença e criar modelos que permitam fazer previsão de surgimento de surtos com base na evolução sintomática da população.

Os sintomas devem ser indicados todos os dias?
Não é obrigatório. Mas idealmente deveriam ser indicados todos os dias.

Existem muitas pessoas a utilizar a Covidografia?
Até ao passado dia 23 de abril eram já 65 mil inscritos que reportaram os seus sintomas na plataforma.

Como é que as pessoas podem registar-se para aceder à plataforma?
As pessoas através de covidografia. pt registam-se ou conta a sua conta do Facebook ou com a conta Google. Depois começam por introduzir o ano de nascimento e o código postal. Não partilhamos qualquer tipo de dados nem com o Facebook nem com o Google. Esta forma de autenticação é usada de forma a facilitar a vida às pessoas.

Qual o feedback que tem recebido das pessoas, relativamente à plataforma?
Temos recebido um feedback bastante positivo das pessoas relativamente à plataforma. As pessoas têm utilizado a Covidografia de forma regular. Também temos recebido feedback de algumas funcionalidades que devíamos acrescentar,
como ter notificações para relembrar às pessoas para reportar os seus sintomas. É um balanço positivo pois as pessoas têm gostado de perceber o que está a acontecer na sua zona e como as coisas estão a evoluir.

A equipa continua a desenvolver e a melhorar a plataforma? Em que aspetos?
Existe uma equipa dedicada a isso. Estamos a prever para o futuro evoluir. Um dos desafios que estamos ainda a trabalhar, que acaba por ser o objetivo final, é por o Estado a utilizar estes dados, de forma a tomar decisões mais eficientes. Estamos
nesse caminho, apesar de demorar algum tempo.