Fernando P. Sousa, Lda. comemora meio século de atividade

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A empresa Fernando P. Sousa, Lda., sediada na freguesia de Santa Maria de Lamas, dedica-se ao comércio e montagem de chapas para coberturas e fachadas, assim como à remoção de coberturas contendo amianto. Fundada em 1970 pelo gerente, Fernando Pinto de Sousa, a atividade inicial centrou-se na fabricação de fivelas para calçado. No entanto, mostrando-se atento às necessidades do mercado, o negócio evoluiu para a fabricação de grampos e anilhas para fixação de chapas. Em 1977, a firma assumiu como atividade principal o comércio de chapas e painéis sandwich para coberturas e fachadas. Atualmente, contam com oito colaboradores e o gerente espera ver o negócio a evoluir através de uma “passagem de testemunho” na família, algo que o deixaria “muito satisfeito”.

Fernando Pinto de Sousa, gerente da Fernando P. de Sousa, Lda., em entrevista

Uma vez que esta empresa celebra 50 anos de atividade, como se iniciou todo este processo?

É uma história simples, mas foi um pouco difícil. Em 1970, resolvi estabelecer-se por conta própria e os princípios, tal como disse, foram muito difíceis. Foi através de muito trabalho e dedicação que conseguimos levar o barco a bom porto até aos dias de hoje. Tive também a importante colaboração da minha esposa que me ajudou bastante. Quando as minhas filhas cresceram, resolveram então também ajudar-me e dar continuidade a este projeto.

A empresa sempre se dedicou à comercialização e montagem de chapas para coberturas e fachadas?

Não, inicialmente começou-se pelo fabrico de fivelas, aplicações para calçado e depois o fabrico de cruzetas para confecção. Entretanto, até para não parar no tempo e nos mantermos atentos às necessidades do mercado, em 1974, a empresa passou a dedicar-se à produção de grampos e anilhas para fixação de chapas de coberturas. Um negócio puxou o outro e, por volta de 1977, iniciamos a atual atividade de comercialização de chapas para coberturas e fachadas.

Atualmente, quais são os principais tipos de produtos que compõem a vossa oferta comercial?

De forma geral, envolve todo o tipo de chapas, como os policarbonatos, plástico, fibra de vidro, chapa lacada e galvanizada, painéis sandwich, escadas e escadotes em alumínio, calhas e entre outros artigos.

Relativamente a esta assinalação, que balanço faz sobre os 50 anos de existência?

Faço um balanço positivo. Como em todos os negócios existiram altos e baixos, mas penso que foi um percurso gratificante. Hoje consigo contar com uma empresa sólida e, embora não seja muito, o facto de não existir nenhuma dificuldade financeira é uma razão para ficar contente. Foi por isso que eu lutei ao longo destas décadas.

De que forma irão celebrar esta efeméride?

Será uma celebração simbólica e muito simples. Uma vez que atravessamos um período associado a esta pandemia, não iremos fazer grandes celebrações. Fica para o próximo ano, quando fizermos o 51.º aniversário.

Consegue já assinalar alguma quebra económica motivada por esta situação pandémica?

Sim, houve uma quebra acentuada, mas felizmente não foi preciso recorrer ao lay-off até agora. Estivemos encerrados durante uma semana, depois reabrimos com todas as medidas decretadas pelo Estado e pela Direção-Geral da Saúde para retomar a nossa atividade.

Quais são as principais diferenças a assinalar sobre a sua empresa em relação às outras entidades deste ramo?

Na verdade, não tenho muito conhecimento sobre a concorrência. Basicamente desenvolvemos o nosso trabalho com o intuito de servir com qualidade e a tempo e horas os nossos clientes. É isso que me preza ao manter esta casa aberta durante estes anos todos.

Nesse sentido, como descreveria esta relação com os clientes?

É uma relação excelente. Alguns clientes vêm e vão, outros permanecem e, a esses, temos que demonstrar o nosso agradecimento. No entanto, há uma grande consideração e respeito por eles todos. É importante transmitir o nosso conhecimento aos clientes e observar que não há nenhum tipo de problema com o serviço que prestamos.

Quais é a ambição para o futuro da empresa?

O principal objetivo é continuar com este trabalho desenvolvido e, se a minha filha der continuidade a isto, ficaria muito satisfeito. A nossa missão é o reconhecimento dos clientes pela qualidade dos produtos comercializados e serviços que fazemos, tendo presente o compromisso de aperfeiçoamento contínuo da nossa área comercial no desenvolvimento sustentável e rentabilidade dos nossos negócios. Sobre os planos para o futuro, o objetivo é evoluir cada vez mais, com o mesmo ritmo até hoje: lento, mas firme.

Por último, que apelo gostaria de deixar aos seus clientes e população?

Tendo em conta o período que atravessamos quero desejar muita saúde a toda a gente, havendo saúde, o resto vem por acréscimo. E, claro, tenho de agradecer aos clientes pela preferência nos produtos da nossa firma.