ISPAB e ISPGAYA estabelecem parceria de “primordial importância”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O diretor do Instituto Superior de Paços de Brandão (ISPAB) revela, em entrevista ao Jornal N, as principais razões que motivaram o fim dos 30 anos de atividade da instituição. No entanto, adianta que o ensino superior “continuará em Paços de Brandão”. Considera que a parceria estabelecida com o ISPGAYA é de “primordial importância” para as forças vivas da região e, com isso, “continuaremos a contribuir para o desenvolvimento empresarial” – a nível local, regional e nacional. O futuro do ISPAB será, a seu tempo, “pensado e decidido”, pelo que as preocupações atuais focam-se no “consolidar a par- ceria com o ISPGAYA” e “dotar a Instituição de todas as condições necessárias para que os atuais alunos possam finalizar os seus cursos superiores”.

No dia 30 de abril, o ISPAB anunciou que iria encerrar a sua atividade a 31 de dezembro de 2021. Após 30 anos de Ensino Superior em Paços de Brandão e no concelho de Santa Maria da Feira, que razões motivaram esta decisão?

O encerramento do ISPAB surge na sequência de uma avaliação da A3ES (Agência de Avaliação e Acre- ditação do Ensino Superior) realizada em finais de 2018. A avaliação e a prossecução dos nossos objeti- vos foi muito positiva, mas vinha acompanhada de outras exigências que o ISPAB não podia garantir e que qualquer instituição privada da nossa dimensão dificilmente poderia alcançar. A referida agência reconheceu a qualidade do ensino ministrado, mencionando no seu relatório que “o ISPAB mexe com a comunidade envolvente, assumindo-se como um parceiro ativo na mesma”. Mas as exigências de um corpo docente doutorado e a tempo integral, a existência de um centro de investigação próprio e um número mínimo de alunos a frequentar os diferentes ciclos de estudos, revelou-se de muito difícil concretização e quase impraticável para uma Instituição com a dimensão do ISPAB, pelo que decidimos, voluntariamente, terminar este ciclo e começar a pensar noutros horizontes.

Leia a entrevista completa na edição impressa