“Queremos dar a máxima segurança aos nossos clientes sempre que se deslocam ao nosso espaço”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O restaurante “Charrim” situa-se na freguesia de Lourosa. Hélder Lopes, de 42 anos é o gerente deste espaço. O Jornal N esteve à conversa com o gerente do negócio que explica qual a principal oferta gastronómica do espaço e quais as medidas de higiene e segurança que adotou para a reabertura do espaço. Na oferta gastronómica do “Charrim” está disponível às quartas e domingo, leitão que pode ser, também, encomendado.

Como surgiu a ideia para a criação deste estabelecimento?

Este estabelecimento já tem cerca de 60 anos. No ano de 2018, surgiu a oportunidade de ficar a gerir o espaço, onde acabei por ficar.

Quantas pessoas colaboram no negócio?

Atualmente são 11 pessoas a trabalhar neste negócio.

Qual o horário de funcionamento do espaço? E quais as horas em que é mais frequentado?

Funcionamos de segunda-feira a domingo das 7h00 até às 22h00. Quarta-feira da parte da tarde estamos de folga. A hora do almoço acaba por ser a mais movimentada. Diria que entre as 12h00 e as 14h00.

Quais são os pratos principais da vossa oferta gastronómica?

São vários os pratos que temos na nossa oferta gastronómica. Mas diria que os principais são francesinha, leitão, cozido e bacalhau. De salientar que às quartas e domingos servimos leitão e, que aceitamos também encomendas.

Quais os principais factores que distinguem este estabelecimento dos outros?

Tentamos oferecer sempre as melhores condições aos clientes. Desde a melhor comida possível ao melhor atendimento.

Face ao período em que estiveram fechados devido à pandemia, encontraram alguma solução para rentabilizar o espaço?

Estivemos fechados durante dois meses e, acabamos por ter alguns apoios para ajudar nas despesas durante esses tempos em que tivemos encerrados. Assim que foi dada luz verde para o espaço abrir, voltamos ao trabalho e, com novas fardas.

Quais as medidas que adotaram para poderem reabrir o espaço, com as condições de segurança?

Todos os clientes têm que usar máscara e desinfetar as mãos com álcool gel, que encontram à entrada do espaço. Temos uma separação, entre o balcão e a parte exterior de forma a minimizar o contacto direto entre os clientes e as pessoas que aqui trabalham. Queremos dar a máxima segurança aos nossos clientes sempre que se deslocam ao nosso espaço.

Mediante este regresso à normalidade, já consegue assinalar uma boa adesão por parte das pessoas ou ainda sente que há receio?

Atualmente no meu espaço sinto que não existe receio por parte do cliente em voltar. De dia para dia são cada vez mais os clientes que voltam, depois de termos reaberto o espaço. E o facto de oferecermos todas as condições de higiene, deixa as pessoas muito mais seguras.

Com a redução da lotação máxima no interior dos estabelecimentos, com quantos lugares trabalham anualmente?

Acabamos por não ter que reduzir muito os lugares que tínhamos disponíveis. Abrimos uma esplanada e deslocamos os lugares para o espaço exterior.

Como descreve a sua relação com os clientes?

Tenho uma ótima relação com todos os meus clientes.

Por fim, que apelo gostaria de deixar às pessoas.  

Os clientes que ainda não voltaram, depois do encerramento do espaço com a pandemia, podem voltar porque oferecemos todas as condições de segurança. E agradecer aos clientes que já vieram e, continuam a voltar e a confiar no nosso espaço e no nosso trabalho.

charrim