A Falta de Inovação e Liderança

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A Europa sempre foi o lar da indústria. Ao longo de sua história, comprovou sua capacidade de liderar mudanças. Hoje, a indústria na Europa enfrenta a necessidade de transição para a sustentabilidade e a digitalização, que têm cada vez mais impacto em todas as áreas políticas. A comunicação COM (2020) 102 final sobre Uma nova estratégia industrial para a Europa, apresentada pela Comissão Europeia, aborda estes desafios. A estratégia visa impulsionar a competitividade da Europa e sua autonomia estratégica em um momento de instabilidade geopolítica e aumento da concorrência global.

A comunicação se propõe a cumprir três prioridades principais: primeiro, manter a competitividade global da indústria europeia em condições de igualdade em casa e no mundo; segundo, tornar a Europa neutra em termos de clima até 2050; e terceiro, moldar o futuro digital da Europa. A estratégia examina os principais impulsionadores da transformação industrial da Europa e propõe um conjunto abrangente de ações futuras.

Embora reconheça a relevância das autoridades locais e regionais, a comunicação não lhes dá a importância que merecem. Tal foi descrito no parecer do Comité Regional sobre uma abordagem baseada na localidade da política industrial da UE, onde o CR destaca o importante papel do nível local e regional na estratégia industrial e o seu papel vital para alcançar uma abordagem baseada no local.

O Comité Regional observa que uma abordagem baseada no local requer redes e grupos de cooperação que funcionem bem; salienta também que a cooperação inter-regional destes é crucial para o desenvolvimento de sinergias e a obtenção de massa crítica em co-investimento para a implantação de inovação nas cadeias de valor industriais em toda a Europa;

sublinha que os governos regionais e locais têm um papel fundamental no estabelecimento ativo da necessária cooperação inter-regional e transfronteiriça;

apela a um apoio reforçado da UE aos ecossistemas e aglomerados regionais no âmbito dos investimentos inter-regionais para a inovação; considera que a cooperação pan-europeia e inter-regional tem um papel importante na concretização do potencial da economia circular e neutra em carbono.

A estratégia foi publicada antes de ficar claro que a pandemia do Covid-19 teria efeitos tão adversos na indústria como um todo; portanto, não menciona nenhum impacto potencial da crise e, como tal, pode precisar ser adaptado / revisto.

O Comité Regional Europeu, adotará um parecer sobre Uma nova estratégia industrial para a Europa com base no documento uma nova estratégia industrial para a Europa da Comissão, provavelmente na sessão plenária de 1 a 2 de julho de 2020, com a relatora Jeanette Baljeu (NL / RE).

Num documento que enviei a Jeanette Baljeu, chamei a especial atenção para o debate nos seguintes pontos:

Neutralidade climática – a transição verde

Liderança digital – A transição digital

Competitividade Global

No entanto deixo algumas questões que julgo de interesse relevante, quanto ao desenvolvimento das políticas do CR:

Qual deve ser o foco do desenvolvimento dos ecossistemas industriais europeus, também à luz da situação atual do COVID-19?

Como a posição das Autoridades Locais e Regionais (LRA) poderia ser fortalecida ao longo da nova Estratégia Industrial? Qual poderia ser o papel dos membros do Comité das Regiões nisso?

O que é necessário para garantir uma concorrência leal a nível mundial e no mercado interno da UE?

Qual o papel do LRA no Pacto de Competências para garantir uma transição digital inclusiva da indústria?

Portugal precisa de ser mais exigente, mais criativo e inovador  na apresentação de planos e projetos com visão de futuro na Regiões. Não podemos ser, nem estar nas linhas traseiras dos países membros. Temos de independentemente dos quadrantes políticos que ocupamos no seio da UE, de juntos criarmos formas e métodos de sermos lideres de programas inovadores.

O Governo de António Costa tem de se renovar, ser um governo com estratégia, o que não teve, não tem e não vai ter nos próximos anos, encaminhando desta forma Portugal para um precipício sem fim. Sera mais uma vez a Austeridade a entrar em Portugal e os Portugueses pagarem mais uma vez esse erro do passado, por não ter aprendido e Inovado.