Miguel Ângelo Quarteto apresenta a digressão “Dança dos Desastrados”

Miguel Ângelo é natural de Fiães e irá apresentar o álbum na sua terra natal, dia 5 de setembro, no “Monte das Pedreiras”

Depois do lançamento do álbum “Dança dos Desastrados” em junho, Miguel Ângelo Quarteto sobe a vários palcos nacionais e internacionais na digressão com o mesmo nome.

O álbum que tem sido aclamado pela crítica vai ser apresentado no dia 5 de setembro, em Fiães. O concerto surge de uma iniciativa do músico de apresentar o álbum na sua terra natal e que graças ao programa Garantir Cultura vai acontecer num dos locais mais emblemáticos de Fiães, o “Monte das Pedreiras”. Este concerto conta também com o apoio da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, da Junta de Freguesia de Fiães e do Círculo de Defesa do Património e Ação Cultural de Fiães.

A digressão “Dança dos Desastrados” continua em outubro com um concerto no dia 2 em Sevilha no XV Festival Soberao Jazz. No dia 3 sobem ao palco do Clube de Tavira e a 4 de outubro atuam em Faro, no Clube Farense. No dia 5 de outubro vão estar em Setúbal na Associação Musical Capricho Setubalense e no dia 6 vão até Lisboa, à cooperativa artística Penha Sco, através da Robalo (editora independente de jazz criativo). No dia 10 de outubro vão estar em Paredes de Coura no Ciclo de Polinização. A digressão conta com o apoio do Programa Garantir Cultura.

Miguel Ângelo Quarteto é um projeto conceituado com músicos de excelência, desde João Guimarães no saxofone alto, Joaquim Rodrigues no piano, Marcos Cavaleiro ou Mário Costa na bateria e Miguel Ângelo no contrabaixo e composição.

O músico conta com uma carreira bastante consolidada no panorama nacional do jazz: em 2016 o álbum “A Vida de X” foi considerado pela revista Jazz.pt, pelo crítico Phil Barnes, na revista All About Jazz e por vários críticos nacionais como um dos melhores discos de Jazz de 2016.

Este ano o álbum “Dança dos Desastrados” foi considerado pela plataforma Bandcamp, um dos melhores dos últimos meses. O crítico Dave Sumner descreve o disco desta forma: “Na Dança dos Desastrados, cada nota, cada batida tem uma perspetiva melódica em mente. Isso não é novidade para Miguel Ângelo. O baixista tem o talento de estabelecer diálogos épicos com base na força e fluência das suas declarações melódicas”.

“Dança dos Desastrados” é um álbum baseado em possíveis danças tradicionais, reais ou imaginárias. Esta é a proposta do Quarteto para escutar, sentir e dançar, mesmo para os mais “desastrados”.