Continuação da Assembleia Municipal ordinária

Iniciaram a reunião com a continuação da análise e discussão dos pontos da ordem de trabalhos. Começaram pelo ponto cinco que era sobre a deliberação da proposta de nomeação da entidade PALM – Pereira, Almeida, Linhares, Monteiro e Associados, SROC, LDA., para os serviços de auditoria, revisão e certificação legal de contas do município de Espinho, para os anos de 2022, 2023 e 2024, sendo que foi aprovado, assim como, a minuta da deliberação. A seguir prosseguiram à votação das atas das últimas assembleias municipais que foram aprovadas.

Passaram à apreciação da informação escrita do Presidente da Câmara acerca da atividade Municipal, onde o Miguel Reis ficou à disposição dos membros da Assembleia para questões. Fausto Neves começou por deixar uma questão geral que no seu ver é importante ser abordada, tão longa como complexa, “a questão é sobre a renovação urbana em Espinho”, renovações pelo município e acerca das ciclovias, um tema que mais membros da assembleia referiram. O presidente da Junta de Silvalde também deixou algumas observações e deixou um pedido a este executivo “o tema que eu trago aqui hoje é pertinente para Silvalde e depreende-se também que de facto que a mobilidade em Espinho, só é investimento na cidade e continuam as freguesias com as suas dificuldades, espero que esta câmara tenha a frontalidade de apostar também mais nas freguesias do que foi apostado até agora.” Alexandra Flor Bastos deixou também a sua opinião referente à câmara “gostei de saber que houve jornadas na área da saúde, gostei de saber que houve evolução nestes processos no Município de Espinho. Vou congratulá-lo a si e à sua equipa, nos avanços que fez nestes processos, já vimos que em Portugal se tivermos governo PS, se tivermos município PS, efetivamente temos progresso.” Houve outras questões efetuadas ao Presidente da Câmara acerca do edifício de Paramos que o Município pensa em adquirir, mas que o executivo ainda se encontra a analisar as vantagens e desvantagens se realmente vale a pena para o município, pois a compra já foi aprovada.

 

Leia a notícia na integra na edição desta semana.