Lucro da Corticeira Amorim recua 3,2% para 74,9 ME em 2019

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Todas as unidades com acréscimo de vendas, excepto a UN Revestimentos

O lucro da Corticeira Amorim caiu 3,2% para 74,9 milhões de euros em 2019 face a 2018, tendo as vendas consolidadas subido 2,4% para 781,1 milhões de euros, divulgou  a empresa na passada segunda-feira. Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Corticeira Amorim adianta que o Conselho de Administração propôs à assembleia-geral de acionistas, agendada para 20 de abril, a distribuição de um dividendo bruto de 0,185 euros por ação, à semelhança do ano anterior.

Relativamente ao impacto da propagação do novo coronavírus, a empresa admite que, “se afetar significativamente o consumo”, poderá “ter um efeito” ainda não contabilizável na atividade. “A Corticeira Amorim é uma empresa internacional (mais de 90% das vendas fora de Portugal) e, como tal, exposta à economia global, em particular ao consumo privado. A propagação do surto Covid-19, se afetar significativamente o consumo, poderá impactar os clientes e, consequentemente, a cadeia de valor, e, por isso, poderá ter um efeito na atividade desenvolvida”, refere.

Contudo, acrescenta, “a escala, dimensão e duração do atual momento de incerteza torna difícil avaliar a dimensão dos seus impactos diretos e indiretos e, como tal, estimar, à data de hoje, o seu valor”. No ano passado, o EBITDA (resultados antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) consolidado da Corticeira Amorim diminuiu 6,9%, para 124,7 milhões de euros, “refletindo, em grande medida, o impacto do aumento do preço de consumo da cortiça, o crescimento dos custos operacionais e o desempenho desfavorável da unidade de negócio [UN] Revestimentos”. “A implementação de aumentos dos preços de venda e ganhos de eficiência operacional nas várias unidades de negócio atenuaram esses efeitos negativos, tendo o rácio EBITDA/vendas caído para 16,0% (face a 17,6% no período homólogo)”, informa a corticeira, salientando que “no último trimestre do ano registou-se já uma melhoria significativa do rácio EBITDA/vendas de 14,3% para 15,6%”.

UN Revestimentos contraria tendência das restantes unidades

Segundo a empresa com sede em Mozelos, em 2019 todas as unidades de negócio registaram crescimento de vendas, com exceção da UN revestimentos. “As UN Isolamentos e Matérias-Primas foram as que tiveram desempenhos mais positivos, com incrementos de vendas de 18,2% e 9,8%, respetivamente.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.