Santa Maria da Feira vai acolher o novo centro logístico da Rádio Popular

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Rádio Popular vai mudar-se para as novas instalações durante o outono de 2021

A Rádio Popular, uma das principais marcas de retalho da área de eletrónica de consumo em Portugal, escolheu o VGP Park em Santa Maria da Feira para instalar o seu novo centro logístico, cuja construção está prevista arrancar em março deste ano, segundo informa o VGP Group.

Segundo Ilídio Silva, CEO da Rádio Popular, “numa altura em que a logística se torna cada vez mais importante, a Rádio Popular investiu num centro logístico sustentável, com o objetivo de reforçar a sua capacidade da sua rede de distribuição. Este novo projeto de uma empresa 100% portuguesa, que opera mais de 50 lojas em Portugal continental e Ilhas, vai permitir a introdução de melhoramentos que vão impactar a eficiência e os resultados da organização, permitindo-nos manter um ambicioso plano de crescimento do número de lojas e consolidar a presença online da marca”.

A VGP foi aconselhada nesta transação pela Retail Urban, uma imobiliária sedeada em Vila Nova de Gaia.

“Com a Rádio Popular, a VGP conquistou hoje um arrendatário, que 40 anos depois da sua fundação, está a crescer de forma rápida e é uma marca bem conhecida e consolidada dos consumidores portugueses,» afirmou José Ferreira, Country Manager da VGP Portugal. “Estamos muito satisfeitos que o primeiro VGP Park em Portugal, seja o primeiro o primeiro ‘very good certified business park’ em Portugal, que com as suas excelentes conexões à rede viária e localização estratégica tenha preenchido os critérios decisivos da Rádio Popular”, concluiu.

Este novo parque será desenvolvido num terreno, em Nogueira da Regedoura, com uma área de aproximadamente 73.500 metros quadrados e estima-se que venha a ter cerca de 33.000 m2 de espaço para alugar após a sua conclusão. O parque tem uma posição privilegiada ao lado da A1 e da CREP (A41). Devido às suas “boas conexões com o Porto” e a sua zona metropolitana com mais de 1.7 milhões de pessoas, a localização garante “a existência de uma força de trabalho qualificada”, diz a empresa.