SOCN e APCOR fecharam negociações para novo contrato de trabalho da cortiça

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Trabalhadores do escalão profissional mais baixo do sector corticeiro passam a auferir 795€, “o maior aumento salarial do século”

Na passada sexta-feira, 20 de setembro, uma fonte sindical do sector revelou que a revisão do contrato coletivo de trabalho da indústria corticeira já está concluída, depois de o Governo ter arbitrado as negociações salariais com a respetiva associação patronal.

Segundo revelou à Lusa, fonte da Federação Portuguesa dos Sindicatos da Construção, Cerâmica e Vidro (FEVICCOM), que exigia um aumento remuneratório mínimo de 20 euros mensais para todos os trabalhadores, o novo acordo reflete subidas entre os 17,85 para os encarregados gerais da categoria IX e os 19,50 euros para a generalidade do pessoal operário afeto à categoria XIV. Em termos práticos, isto significa que os primeiros ficam agora com um ordenado-base de 867,82 euros, enquanto os trabalhadores do escalão profissional mais baixo passam a auferir 795,01 euros por mês. Aprendizes com idades entre os 16 e 18 anos, por sua vez, irão ganhar 700 a 725 euros mensais.

Leia mais na edição impressa do Jornal N.