“Entendo que já fizemos muito do que fazia parte do nosso projecto de devolvermos a Ovarense à cidade”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

ENTREVISTA

António Godinho, presidente da AD Ovarense desde Novembro de 2018, debruça-se sobre a reabilitação do clube e garante que responderá ‘sim’ à Federação Portuguesa de Futebol se a Ovarense for chamada para integrar o Campeonato de Portugal.

Foi eleito presidente da Direcção da AD Ovarense em Novembro de 2018. Que factores contribuíram para a sua incursão no dirigismo desportivo e, em concreto, para abraçar a presidência do clube?

Faço parte de um grupo que se apresentou a votos para reabilitar a Associação Desportiva Ovarense. O clube atravessa grandes dificuldades por essa ocasião em diferentes sectores e duvido que se houvesse futuro então para a Ovarense se seria risonho. Faço parte de um grupo de pessoas que ia ver os jogos de futebol e, palavra puxa palavra, fomos cimentando ideias e acreditando que seria possível evitar a queda da Ovarense. Por essa ocasião, era diminuta a ligação da Ovarense à cidade e dos adeptos ao futebol e entendíamos que teria de haver uma solução.

A eleição dos actuais corpos sociais ocorre em Novembro de 2018 já com a época desportiva de 2018/19 em curso.

Exacto. Formámos o nosso grupo e apresentámo-nos a eleições. Numa primeira ocasião, a nossa lista foi recusada. A lista única que se apresentou registaria, todavia, um número de votos inferior ao de votos brancos. Numa segunda oportunidade, vencemos as eleições e iniciámos o nosso trabalho de reabilitação da Ovarense. Subimos a equipa sénior da 1ª Divisão Distrital à Divisão de Elite e, agora, que seguíamos em bom caminho surge esta pandemia que coloca um travão no Desporto e faz com que termine inesperadamente, e para muita pena nossa, o nosso percurso desportivo na Divisão de Elite da AF Aveiro.

Recuemos a Novembro de 2018 e ao estado em que encontrou a Associação Desportiva Ovarense. Com que cenário se deparou após a sua eleição?

A Ovarense estava praticamente ao abandono. Digo praticamente, porque havia a equipa sénior que procurava dar o seu melhor sob a liderança do Artur Marques, sempre incansável e que procurava ultrapassar os problemas. A Ovarense, enquanto clube, parecia, contudo, resumir-se a uma equipa de futebol quando deveria ser um clube. Não havia programação, não havia orientação, parecia não haver nada.