Farmácias da cidade de Ovar deixaram de funcionar durante a madrugada

As cinco farmácias da cidade de Ovar, sede do concelho que esteve em estado de calamidade pública devido à covid-19, estabeleceram um acordo mediante o qual deixaram de funcionar durante a madrugada, revelaram na passada segunda-feira os responsáveis desses estabelecimentos. A medida, que foi implementada no início do mês, já era reivindicada há alguns anos pelas equipas afetas a esses espaços pelo facto de a atividade noturna não se revelar rentável desde que o Hospital Francisco Zagalo, no mesmo município, deixou de incluir serviço de urgência.

Maria José Coelho é diretora técnica da Farmácia Central e, embora reconhecendo o caráter experimental da medida, adianta que a mudança vigorará até final de novembro, sendo que, até lá, se mantém a habitual escala de serviço indicando que estabelecimento funciona até às 24:00 e, a partir desse horário, a alternativa é contactar a linha telefónica com o número 1.400 – disponibilizada pela Associação Nacional de Farmácias para indicar a disponibilidade geográfica dos medicamentos em ‘stock’. “A linha 1.400 diz qual é a farmácia mais próxima disponível e o mais provável é que os clientes sejam encaminhados para o concelho de Santa Maria da Feira, porque também é lá que funciona o hospital a que a população de Ovar deve recorrer em caso de emergência médica”, disse.