“Estamos quase a meio do mandato, e naturalmente não estamos satisfeitos. Os recursos são escassos”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Manuel Melo, Presidente da Junta de Freguesia de Milheirós de Poiares, destaca a rede viária e a requalificação do edificado local como prioridades para 2019

Em entrevista ao Jornal N, o Presidente da Junta de Freguesia de Milheirós de Poiares, Manuel Melo, reflecte sobre a primeira metade do mandato, afirmando que tem sido “muito gratificante” e que o objectivo do Executivo é o de “servir as pessoas”. No entanto, distingue várias carências que faltam ainda suprir em Milheirós de Poiares, como “a rede viária”, a “requalificação de vias e acessos”, “sinalização”, “água e saneamento” ou até mesmo a “rede de gás” e “transportes”.

O responsável máximo pela Junta de Freguesia considera ainda que Milheirós de Poiares “não foge à regra” das “atribuições escassas” de verbas, o que “não permite fazer grande obra”. Manuel Melo destaca ainda a Praia Fluvial da Mámoa como um equipamento que tem experienciado “crescente utilização”, mas aponta a “gestão de lixo” e o “estacionamento” como lacunas que faltam ainda colmatar no local. Questionado sobre a possível deslocação para o concelho de São João da Madeira, o edil prefere “não tecer mais comentários” sobre o assunto, considerando que “não existem divisões” no Executivo da Junta de Freguesia relativamente ao assunto, e que a população se encontra “coerentemente do mesmo lado”, já que a vontade dos locais foi “claramente expressa” nas Autárquicas que deram a vitória à lista “Mais Milheirós”, que encabeça.

Esta é a sua primeira experiência enquanto Presidente de Junta de Freguesia. Como está a ser o desafio?
Muito gratificante, porque o objetivo desta equipa é servir as pessoas.

Estamos a meses da celebração da primeira metade do seu mandato. Considera que os pressupostos que tinha para a Junta de Freguesia estão a ser cumpridos?
Estamos quase a meio do mandato. Naturalmente não estamos satisfeitos. Os recursos são escassos. Dentro das condicionantes consideramos positivo o trabalho até aqui desenvolvido por esta equipa.

 

Leia mais na edição impressa do Jornal N.