“Não há ninguém melhor preparado para assumir esta candidatura”

Vicente Pinto, candidato à Câmara Municipal de Espinho pelo PSD, em entrevista

 

 

POLÍTICA

Vicente Pinto é o rosto da continuidade social-democrata na liderança da Câmara Municipal de Espinho. O atual vice-presidente e candidato sente-se “motivado” pela sua “energia e experiência”, e pretende levar Espinho “mais longe”, através do alcance de novos projetos e metas. Com uma campanha centrada primordialmente “nas pessoas”, Vicente Pinto acredita que “não há ninguém mais bem preparado” para ser o próximo líder da Autarquia.

 

 

Candidata-se a presidente da Câmara Municipal de Espinho. Quais são as motivações da sua candidatura?

Motiva-me sentir que a minha energia e experiência possam contribuir ainda mais para o desenvolvimento de Espinho. A minha candidatura surge de uma forma natural porque me sinto bem a trabalhar e lutar pela minha terra.

 

 

Como avalia o trabalho desenvolvido pelo atual executivo camarário?

Nos últimos anos o nosso projeto ajudou a alavancar e a consolidar o concelho. Criamos novas dinâmicas, fizemos investimentos e com trabalho e muito rigor conseguimos colocar Espinho no melhor caminho. Agora queremos ir ainda mais longe lançando novos projetos e garantindo o que de positivo foi feito nos últimos anos. Requalificamos as escolas do concelho, valorizamos o litoral com a criação de passadiços ao longo da nossa frente de mar e na lagoa de Paramos, instalamos parques infantis em todas as freguesias e criamos novos eventos culturais e desportivos que promovem Espinho não só na região como também internacionalmente. No último mandato requalificamos a rede de água e saneamento e as principais artérias da cidade. Estamos a terminar uma das principais obras da nossa história, a requalificação do canal ferroviário com a construção de um parque subterrâneo para cerca de 400 lugares. Mostramos muita capacidade, coragem e competência para executar estas importantes e estruturais obras para o nosso concelho. Para além disso, criamos o cheque educação e o cheque bebé para apoiar as famílias mais jovens. Reduzimos o IMI, aprovamos um novo PDM e apostamos nas áreas de reabilitação urbana, o que promoveu o investimento e o regresso de muitos espinhenses ao seu concelho. Avançamos finalmente com a construção do Estádio Municipal e apoiamos os Bombeiros do Concelho na construção do novo quartel. Em resumo, arrumamos a casa, colocamos mãos à obra e apoiamos as pessoas. Acho que é a melhor maneira de resumir o trabalho desenvolvido até aqui.

 

Na sua opinião, o que deve ser feito para incentivar o desenvolvimento do concelho de Espinho?

Espinho esteve durante demasiado tempo afastado de investimentos privados. As grandes superfícies não entravam cá e não existiam incentivos para a requalificação e construção de edifícios. A somar a isto, ainda tínhamos o grave problema de Espinho ter uma das maiores taxas de desemprego do País. Com uma estratégia bem delineada conseguimos inverter a situação. Com a utilização de ferramentas como a criação de um novo PDM e das ARU [Áreas de Reabilitação Urbana], conseguimos captar investimentos privados. Hoje, as gruas prosperam pela cidade e isso significa que há obras a serem realizadas. Redefinimos as zonas industriais e vamos construir acessos que promovam a instalação de novas empresas nestas áreas. Vamos criar espaços para acolhimento de empresas em crescimento na área tecnológica e de investigação. Espinho é um concelho pequeno em área, sendo que a nossa frente de mar é uma das mais valias e temos de continuar a apostar nisso com a realização de eventos como o Espinho Surf Destination, Festival Oito24, Sem Espinhas, Reveillon de Verão, entre muitos outros. Paralelamente é necessário apostar em outros eventos para continuar a combater a sazonalidade.

 

Leia a entrevista na íntegra na edição desta semana do Jornal N.