Hospital de Ovar pode continuar a contar com a SPMS

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Durante o aniversário do projeto “HOSP” – Hospital de Ovar sem Papel –, o presidente do concelho de administração dos SPMS falou sobre o Dr. Francisco Zagalo.

Luís Goes Pinheiro, presidente do concelho de administração dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), reafirmou a vontade de continuar a colaborar ativamente com as iniciativas do hospital Dr. Francisco-Zagalo. “O hospital de Ovar é um farol nestas águas bastantes agitadas. Vivemos tempos difíceis, mas há esperança num futuro melhor” – afirmou Luís Goes Pinheiro, elogiando a unidade vareira, que “desde há muito tempo abraçou a inovação através de projetos diferenciadores, que se traduzem em ganhos para a saúde.”

Estas palavras foram proferidas durante o aniversário do “HOSP” – Hospital de Ovar sem Papel. Sobre este projeto, o presidente do concelho de administração dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde declarou que o hospital Dr. Francisco Zagalo, “apesar de pequeno, foi o primeiro a pôr em prática medidas inovadoras e ambiciosas para alcançar o objetivo de um ‘SNS sem Papel’, iniciativa liderada pela SPMS.”

Para o presidente da Câmara Municipal de Ovar, Salvador Malheiro, o aniversário do “HOSP” é apenas mais uma das evidências do trabalho desenvolvido, numa instituição que pode continuar a contar com a autarquia na melhoria contínua da prestação de cuidados de saúde. “É um orgulho termos no nosso território um hospital com tamanha competência” – sublinhou o edil.

O presidente do conselho diretivo do hospital de Ovar, Luís Miguel Ferreira, é o primeiro a reconhecer a importância da desmaterialização de registos e processos em curso na unidade hospitalar desde 2017, estratégia enquadrada no projeto HOSP – Hospital de Ovar sem Papel – lançado em outubro de 2017. “A transformação digital que estamos a levar a cabo tem demostrado que este é o caminho a seguir e, nesta hora de aniversário, compete-me agradecer ao esforço e empenho dos profissionais desta unidade” – referiu Luís Miguel Ferreira, reafirmando a posição cimeira do hospital no contexto do Serviço Nacional de Saúde no indicador “Receitas sem Papel Totalmente Desmaterializadas.”