“Sou um homem de objetivos e projetos”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Sérgio Vicente é líder da Junta de Freguesia (JF) de Cortegaça desde 2013, altura em que reuniu a preferência de 56,46% dos eleitores, um total de 1 110 votos a favor da sua candidatura. Antes desta eleição e durante os dois mandatos anteriores, desempenhou a função de tesoureiro.

Foi por ter exercido esta função que Sérgio Vicente ficou (ainda) mais por dentro dos assuntos relacionados com a freguesia e isso permitiu-lhe ter uma estratégia bem elaborada, que foi implementando “no seu devido tempo.”

Sobre os seus primeiros quatro anos como presidente da junta, Sérgio Vicente faz um balanço positivo, considerando que muitas das medidas implementadas tiveram um impacto positivo na freguesia de Cortegaça.

“A maior obra é perceber que a comunidade tem dinâmica, que as associações e coletividades de Cortegaça ganharam dimensão e conseguem afirmar-se na sociedade” – revela o presidente.

Os primeiros passos de uma estratégia para requalificar Cortegaça

No seu mandato inaugural, Sérgio Vicente destaca que uma das intervenções mais importantes da junta passou pela “requalificação de alguns pontos considerados essenciais na freguesia.” Melhoram-se os acessos na zona envolvente da unidade de saúde de Cortegaça, geraram-se melhores condições para o estacionamento e criou-se um parque infantil. Os acessos à escola primária de Cortegaça também foram melhorados, sendo que para este estabelecimento de ensino estava prevista outra empreitada, que seria executada em duas fases.

Na vertente da ação social, o presidente da JF percebeu que a CRECOR – Solidariedade Social, Cultura, Recreio e Desporto de Cortegaça – trabalhava muito em conjunto com o Centro Comunitário de Esmoriz (CCE) e, fruto de uma parceria com a freguesia vizinha, assegurou um espaço de atendimento no CCE. Sérgio Vicente orgulha-se de manter uma relação “muito próxima” com as associações e coletividades locais, garante que estas não podem estar preocupadas em pensar como vão “suprir as despesas” e foi nesse sentido que decidiu, com a aprovação do executivo, ceder um espaço pertencente à freguesia a todas as associações e coletividades de Cortegaça.

“As associações e coletividades de Cortegaça sabem que há alguém que lhes apoia e este fator é determinante para elas darem um passo em frente, procurando organizar novas atividades e trabalharem em novas zonas de ação.” – confessou o líder da freguesia.

Nos primeiros quatro anos de mandato, destaca-se ainda a construção de um novo edifício para a Junta de Freguesia – que inclui um centro cívico – e a sua requalificação administrativa, através da aquisição de novos equipamentos. “Foram investidos alguns milhares de euros, mas nota-se uma capacidade de resposta mais rápida e eficaz” – conclui Sérgio Vicente, acrescentando ainda que a aposta da comunicação é “muito importante, pois é indispensável fazer chegar uma mensagem ao freguês.”

Sérgio Vicente reitera ainda a importâncias das “onze intervenções em pontos específicos para requalificar a frente do mar.”

Segundo mandato marcado por conquistas “imateriais e materiais”

Nos segundos quatro anos enquanto presidente da junta de Cortegaça, Sérgio Vicente revela que houve uma “obra material mais significativa” – algumas contaram com o apoio da Câmara Municipal de Ovar –, “grandes conquistas imateriais” e outras atividades importantes.

Em termos materiais, o presidente da Junta de Freguesia destaca a “grande obra de no bairro do SAAL.” Conseguida com a ajuda da autarquia de Ovar, esta empreitada devolveu dignidade habitacional às pessoas que lá residem, uma vez que este bairro estava muito degradado. O líder da junta realça ainda outras obras em acessibilidades ou estruturas, tais como a requalificação da zona envolvente ao pavilhão de voleibol, a renovação da escola primária e do cemitério, que depois da empreitada que foi alvo está classificado como de interesse público.

“Ao longo do tempo fomos investindo nas estruturas básicas. Posso afirmar que 99% do saneamento básico de Cortegaça está feito, há uma grande percentagem de habitações na freguesia com gás canalizado e todos os fregueses têm acesso a água canalizada” – declarou Sérgio Vicente.

Nos objetivos imateriais atingidos nos últimos quatro anos de mandato, o presidente da JF começa por realçar a “relação positiva com a Federação Portuguesa de Voleibol”, devido ao centro de treino de alto rendimento desta modalidade existente em Cortegaça, e mostra-se orgulhoso pela sua freguesia ser um dos locais onde se realizam jornadas do Campeonato Nacional de Voleibol de Praia. Posicionar Cortegaça é um dos objetivos deste executivo e foi neste sentido que a freguesia cedeu um terreno à Junta Regional do Porto dos Escuteiros, através da assinatura de um direito de superfície. Nos próximos anos, a sede desta organização será em Cortegaça e será na freguesia que acontecerá um evento anual que costuma juntar cerca de 9 000 escuteiros. Sérgio Vicente revela, porém, que um dos mais importantes marcos é a construção de uma unidade hoteleira.

“A construção de uma unidade hoteleira na Avenida da Praia será muito importante para Cortegaça. Existem alojamentos locais na freguesia, mas há quem goste de outro tipo de estadia” – afirmou o presidente, adiantando ainda que isto será “muito importante para o turismo, mas também para a indústria.”

Em oito anos, o líder da freguesia conseguiu alcançar alguns dos seus objetivos, mas outros nem por isso. Por ser “um homem de objetivos e projetos”, Sérgio Vicente revela que o trabalho de um presidente “nunca acaba.”

“Há objetivos que são difíceis de alcançar. A deslocalização do Parque de Campismo para requalificarmos a zona em frente ao mar é um exemplo” – esclareceu. O presidente da Junta de Freguesia revela, ainda, que outra das suas preocupações é o facto de Cortegaça ter dificuldades em reter uma população mais jovem. Neste sentido, a JF tem a intenção de criar mais habitação para os mais novos e espera contar com a aprovação da Câmara Municipal de Ovar.

Câmara Municipal foi “excecional” no combate à pandemia

 A pandemia da covid-19 teve um impacto muito negativo no concelho de Ovar, principalmente durante a primeira vaga, onde o município viu o seu território ser alvo de uma cerca sanitária. Sérgio Vicente elogia a ação a Câmara Municipal, considerando-a “excecional.”

“Durante o período mais crítico da pandemia, houve uma ligação muito estreita entre as freguesias e com a Câmara Municipal: independentemente da cor partidária, o que fosse decidido pela autarquia as juntas cumpriam. É justo dizer que a atuação da Câmara Municipal de Ovar e o Gabinete de Crise foi excecional” – afirma o presidente da JF de Cortegaça.

Durante este período, Sérgio Vicente passou muito tempo na rua a sensibilizar os seus fregueses para ficarem em casa, algo que considera como “normal para um presidente de junta.”

“Na fase inicial da pandemia, passei muito tempo na rua a sensibilizar as pessoas para ficarem em casa. Cuidar do bem-estar dos fregueses faz parte da função de um presidente da Junta de Freguesia” – concluiu Sérgio Vicente.