Alcides Alves quer terminar com a “inércia” na CMO, combatendo as desigualdades

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

POLÍTICA

A noite do passado sábado esteve reservada para a apresentação dos candidatos que darão rosto à campanha do Partido Socialista de Ovar nas Autárquicas de 2021, na arena Dolce Vita. O momento mais aguardado da noite foi o discurso de Alcides Alves, candidato do PS à Câmara Municipal de Ovar, antigo presidente e tesoureiro da junta de Freguesia de Esmoriz, e ex-membro da Assembleia Municipal de Ovar. O docente, de profissão, disse ser este o “primeiro passo em direção a uma grande vitória”. “Somos gente de trabalho. E quem não acreditava, começa agora a acreditar. Temos os melhores vareiros nas nossas listas” – dava o mote o candidato. Alcides Alves apontou o dedo à liderança de Salvador Malheiro nos últimos quatro anos, dizendo que Ovar “não foi governado, mas sim gerido”. “Ovar assistiu ao que acontecia, e muito poucas vezes fez acontecer. O município não foi governado, mas sim gerido. Assistimos a alguns procedimentos que, no limite, roçam a ilegalidade. Governar é prever, antecipar. Ser proactivo, e não reactivo, como foi o Executivo em Permanência no apoio ao pequeno comércio e às pequenas e médias empresas. Os apoios foram recusados com alguma ironia cómica” – disse.

 

Deixou também uma palavra a Artur Duarte e Fátima Bento, vereadores socialistas no mandato que termina, e fê-lo por considerar que “a cultura democrática do Executivo PSD andou pelas ruas da amargura”. O socialista acredita também que o PSD “não projetou Ovar para o futuro”. “Assistimos a cercas sanitárias de duvidosa pertinência. Hoje, Ovar tem uma taxa de desemprego elevada. Somos dos municípios onde os salários são mais baixos. O PSD não projetou Ovar para o futuro. Não soube delinear. Para isso, é preciso ter a cabeça no nosso Município, e não no percurso político. Diz o povo, e bem, que quem quer servir dois senhores, acaba por não servir nenhum” – atirou. Alcides Alves prometeu também “continuar a lutar” pela desanexação da União de Freguesias de Ovar, São João, Arada e São Vicente de Pereira, com o objectivo de “trazer de volta os serviços de proximidade, de que as populações tanto necessitam”. Definiu a eliminação da discriminação racial ou de género como um dos seus principais desígnios, a par da habitação social. Defendeu a eliminação das barreiras burocráticas “praticadas pela Câmara Municipal”, e que têm sido “um travão para a fixação de empresas e criação de postos de trabalho”. “Almejo que as zonas industriais de Cortegaça, Esmoriz e Ovar sejam alvo de uma requalificação, com o objetivo de atrair investimentos, criar emprego, e melhorar os salários na nossa região. Temos, hoje, freguesias de primeira, de segunda, e até de terceira. (…) Temos um território com uma estratégia insuficiente. Os nossos produtos são excelentes e merecem que o turismo seja outro dos eixos estruturantes da minha candidatura” – anunciou. Com dedo apontado ao trabalho do PSD, Alcides Alves acrescentou que Ovar “está a perder valor a cada ano que passa”, está “mais do que parado”. “Os outdoors de campanha do PSD são maiores que a obra feita nos últimos quatro anos. Somos gente de ação, não de palavras. Vamos a isto, PS! A vitória, mais do que desejada, é merecida” – terminou.

 

Chamado a intervir, também Luis Pinto, líder da concelhia socialista, numa nota breve, acredita numa campanha que “se traduzirá em vitórias”. “Temos um movimento capaz de vencer, em todos os lados, fruto do trabalho que tem vindo a ser realizado há alguns meses. Acredito que a nossa campanha se traduzirá em vitórias. O PS está de corpo e alma ao vosso lado. E o nosso caminho só tem um lema: fazer mais, e fazer melhor” – anunciou o responsável. Presente na sessão, também Jorge Sequeira, Presidente da CM de São João da Madeira e da distrital do PS, reforçou “o apoio incondicional e sem reservas” do partido à candidatura de Alcides Alves. “O PS tem uma importante história em Ovar. Todos reconhecem o trabalho que o partido desenvolveu nesta terra. Com líderes socialistas, Ovar deu um salto no seu desenvolvimento, e ainda hoje os ovarenses usufruem do bom planeamento levado a cabo. O PS em Ovar tem história, passado, tem um testemunho de credibilidade. E Ovar precisa de virar a página” – considerou.

 

Ao início da noite, foram também apresentadas as listas do PS de Ovar às várias freguesias: Miguel Coelho encabeça a corrida a Cortegaça; Bruno Oliveira é recandidato na União de Freguesias de Ovar; Cajó Ferreira concorre a Esmoriz; Jorge Marques a Maceda; Raúl Teixeira procura dar continuidade ao legado de Jaime Almeida em Válega. Para a Assembleia Municipal, a lista é encabeçada pelo histórico socialista José Fragateiro, um dos fundadores do Partido Socialista de Ovar.