Covid-19: PS Feira defende ‘tablets’ para alunos carenciados e verba para bombeiros

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O PS de Santa Maria da Feira defendeu hoje que a câmara liderada pelo PSD deve higienizar áreas urbanas para minimizar contágios da covid-19, disponibilizar a alunos carenciados ‘tablets’ para aulas virtuais e reforçar os apoios aos bombeiros.

 Há já 42 casos confirmados da covid-19 no Município, e o PS começa por solicitar a “implementação urgente” de equipas de desinfeção que atuem na via pública, nomeadamente nas “ruas mais movimentadas, em espaços públicos muito frequentados, zonas industriais e empresas de média e grande dimensão, multibancos, parquímetros, zonas de hipermercados e farmácias”.

O PS reclama depois a oferta de ‘tablets’ a alunos carenciados, para os ajudar “na sua atividade escolar, junto dos seus professores, na modalidade de ensino à distância”.

Outra medida a que os socialistas apelam é um “apoio imediato de cerca de 10.000 euros a cada uma das três corporações de bombeiros do concelho”, para que esses possam fazer face “ao pagamento de despesas extraordinárias que têm vindo a realizar no combate a esta pandemia”.

A concelhia socialista também pede linhas telefónicas de apoio social e psicológico à comunidade, o que a Câmara de Santa Maria da Feira já anunciara no domingo à tarde, e requer a criação de equipas de voluntários nas freguesias para apoiar as populações locais, o que a Divisão Social da autarquia e outras instituições do concelho igualmente já vêm fazendo.

À semelhança do que o BE solicitou na quinta-feira, o PS deseja ainda “suspender de imediato o pagamento das rendas sociais”.

Já de forma distinta do Bloco, que pedira a suspensão da fatura da água, os socialistas propõem apenas um acordo com a concessionária Indaqua para “redução do preço da tarifa em 30%, de forma excecional, durante os meses de março, abril e maio”.

Como medidas de “ajuda preciosa a toda a população” do município da Feira, o PS deixa ainda duas outras propostas: a criação de um “movimento com as associações empresariais, implementando a possibilidade de fabrico de máscaras e outros materiais de proteção para ajudar os profissionais de saúde, doentes e pessoas em risco”, e a constituição de uma “comissão de apoio em todas as unidades de saúde familiar para ajudar os lares e centros sociais da sua área territorial”.

Citado no comunicado, o presidente da comissão política local do PS, Márcio Correia, enquadra essa lista de propostas “numa ótica de congregação de esforços e de soluções, para que, em conjunto”, se possa “ajudar todos os doentes e pessoas contaminadas, evitando o alastramento e disseminação da covid -19 pelas 21 freguesias do concelho”.

O mesmo responsável acrescenta: “Estas medidas são de fácil implementação, pelo que apelamos à sua execução prontamente”.

Contactado, o presidente da Câmara da Feira agradece as sugestões do PS porque conta “com todas as forças partidárias, sem exceção, nesta luta”, mas nota que, à data a que foram remetidas ao executivo, “parte delas estava já em curso”.

Emídio Sousa realça, aliás, que o município, “tal como tantos outros pelo país e pelo mundo, debate-se em tempo real com a dualidade de assumir o seu papel e dar resposta às necessidades básicas a que o Estado Central não está a conseguir responder no território”.

Nesse sentido, o autarca deixa um apelo a PS e outras forças políticas do concelho: “Podemos, desde já, todos juntos e em uníssono, pugnar para que o Governo de Portugal apresente medidas concretas para o apoio à manutenção dos rendimentos dos trabalhadores, como está já a ser feito noutros países da Europa. As empresas não vão conseguir superar a crise apenas com adiamentos de compromissos fiscais ou empréstimos bancários”.

Emídio Sousa lista ainda medidas já concretizadas com vista a lidar com a crise gerada pela pandemia: o encerramento de equipamentos municipais, a suspensão de atividades não-essenciais, as soluções de apoio de retaguarda para profissionais de saúde, a encomenda de ventiladores para reforçar os meios do Serviço Nacional de Saúde e a instalação de um centro ‘drive-thru’ para rastreio da Covid-19 no Europarque.