Erradicação de fitofármacos gerou discussão na Assembleia Municipal

Recomendação apresentada pelo CDS-PP foi chumbada 

Em contexto de Assembleia Municipal, o CDS-PP – na voz de Ângelo Santos – trouxe uma recomendação sobre a erradicação do uso de fitofármacos na manutenção de espaços públicos. O deputado municipal deu nota de que, em maio deste ano, foi constatada uma “situação caricata” na União de Freguesias (UF) de S. Miguel de Souto e Mosteirô.

Segundo o mesmo, a utilização deste produto em bermas de estradas é “altamente prejudicial” para o quotidiano dos cidadãos. “E é ainda mais [prejudicial] quando estes materiais são aplicados em dias de sol, com vento, em pleno movimento e funcionamento de espaços comerciais. Lamentavelmente, a resposta do senhor presidente de Junta é ainda mais grave: não só assume que o faz, por falta de meios e condições, como quase acusa todos os presidentes de Junta de fazerem o mesmo”, argumentou Ângelo Santos.

Em resposta, o presidente da UF de Souto e Mosteirô, Francisco Andrade, esclareceu que “bom senso” seria o deputado Ângelo Santos “informar-se devidamente” antes de “relatar factos que deturpam a verdade”. “É falso que os estabelecimentos comerciais tenham sido pulverizados, assim como eu, na qualidade de presidente, tenha afirmado que todas as Juntas o fazem. Esta situação irá manter-se até que esta Junta seja dotada de meios técnicos, humanos e financeiros que possibilitem o abandono da adoção destas medidas” – afirmou. O autarca local disse ainda que não foi registada qualquer reclamação por parte dos cidadãos e que não está a ser cometida qualquer ilegalidade.

A discussão prolongou-se e Ângelo Santos acusou Francisco Andrade de “tentar iludir” os cidadãos, uma vez que “foram afixados avisos em estabelecimentos comerciais que alertavam para não se pisar o espaço durante 20 horas”, no dia da pulverização, “na EN 327, nos postos dos CTT”. “Há imagens e vídeo da empresa a fazer essa mesma pulverização, junto de carros estacionados e de pessoas a circular. O senhor presidente, em declarações à Rádio Clube da Feira, afirmou que utiliza estes produtos por não ter meios, que estavam a ser cumpridas todas as normas, que era um dia em que não estava sol, nem vento – o que é mentira – e que não era o único a fazer isso”, acrescentou o membro eleito do CDS.

Leia o artigo na íntegra na edição impressa/digital do Jornal N.