“Juntos podemos fazer de Santa Maria da Feira um concelho melhor”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Alecsander Pereira, candidato do CDS-PP à Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, em entrevista

O candidato do CDS à Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, Alecsander Pereira, refere as principais necessidades do concelho e aponta quais as principais propostas que integram o programa eleitoral. Alecsander Pereira afirma que a sua candidatura “é por todas as pessoas que me apoiam e por aquelas que trabalham ou vivem em cada das 31 freguesias de Santa Maria da Feira”.

Quais são as principais razões/motivações que o levaram a encabeçar a candidatura à Câmara Municipal de Santa Maria da Feira?

Em 2013 iniciei a minha vida política. Recebi convites de alguns partidos, nos quais tenho pessoas amigas, mas acabei por ir para o CDS-PP, onde fui, como independente, o 5º da lista para a União das Freguesias de Santa Maria da Feira, Travanca, Sanfins e Espargo. No ano de 2016 fui convidado para filiar-me ao CDS e, posteriormente, recebi o convite da Concelhia do CDS para integrar a lista do Núcleo do CDS da UF de Santa Maria da Feira, Travanca, Sanfins e Espargo. Em 2017, fui convidado para ser o cabeça de lista à mesma UF. Após as eleições, fiz uma pausa na política para fazer um mestrado em Gestão de Empresas e, logo a seguir, uma pós-graduação em Marketing Digital e E-Commerce, ambos no ISVOUGA, cujas defesas da dissertação e do projeto final foram realizados em março e abril, respetivamente. Como também fazia parte do Grupo de Teatro Amador do Orfeão da Feira, e, também, com a situação do distanciamento social que foi necessário devido à pandemia, percebi que não haveria tempo suficiente para me dedicar à política, indo às empresas, associações e ouvir as pessoas. O meu projeto era de me candidatar apenas em 2025. Porém, em janeiro de 2021, veio, mais uma vez, o convite da Concelhia do CDS Feira, feito pelo presidente, e deputado municipal do CDS-PP, Ângelo Santos. Conversei com minha esposa, Márcia Gomes, e meu filho, e eles disseram-me que eu deveria aceitar este desafio.

Que balanço faz sobre o atual mandato do Executivo camarário?

Sou uma pessoa que, tal como os munícipes, utiliza os espaços públicos e as infraestruturas deste concelho. Sei que temos situações, como a questão da Indaqua e da P. Parques, mas, na condição de candidato, prefiro não avaliar, pois são situações que devem ser analisadas com cuidado. Digo desde o início, não vou atacar ninguém na campanha, nem candidatos nem o atual presidente.

(…)

Leia a entrevista na íntegra na edição impressa/digital do Jornal N.