PS diz não compreender “atraso sucessivo” na marcação das estradas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Ainda no seu período de intervenção, o vereador Délio Carquejo abordou o tema da marcação rodoviária devido ao “atraso sucessivo” que diz verificar nos arruamentos repavimentados. O socialista disse não compreender o porquê de existirem bandas sonoras de aproximação em determinados cruzamentos, que já foram marcadas, visto que “não existem linhas de delimitação do perímetro da própria estrada”.

O vereador do Pelouro das Obras Municipais, António Topa Gomes, começou por explanar que o valor de adjudicação [das fases 4, 5 e 6 de pinturas] foi de 753 mil euros o que obrigou a um visto do Tribunal de Contas. “Estivemos cerca de quatro meses à espera deste visto e chegou no dia 2 de setembro. Vai ser consignado esta semana e a empreitada tem um prazo de nove meses”, revelou o vereador social democrata.  Adiantou ainda que está a ser terminada a 7.a e 8.a fase de pavimentações e acrescentou que a empreitada, além da marcação horizontal, engloba “genericamente” a substituição da marcação vertical, devido às alterações legislativas. “Aquilo que será a marcação horizontal, da 7.a e 8.a fase, corresponderá a cerca de 150 quilómetros de vias com marcação horizontal e alteração de sinalização, respeitando as posturas de trânsito aprova- das”, concluiu.

Leia mais na edição impressa.