PSD de Espinho reage a assembleia municipal polémica

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A última assembleia municipal (AM) de Espinho foi a primeira a realizar-se online, mas o que fica para a história foram os momentos de tensão que aconteceram durante a sessão: alguns eleitos usaram e abusaram da palavra, sendo que se chegaram a ouvir expressões ‘menos próprias’ e que em nada dignificam um órgão político. Sem conseguir impor a ordem e o respeito necessário para o bom funcionamento desta assembleia – o facto de ser online não ajudou –, a presidente da mesa, Joana Devezas, terminou a sessão lamentando o “sucedido nesta reunião” e o “comportamento de todos.”

Tendo em conta o que aconteceu, o grupo do Partido Social Democrata na assembleia municipal de Espinho emitiu um comunicado onde expressa o seu “repúdio” pelas atitudes de um vogal do Partido Socialista e reprova o comportamento da presidente da assembleia.

PSD condena mensagem “insultuosa” de vogal do PS

 Se a Assembleia Municipal de Espinho já estava a ser tensa, uma mensagem na janela do chat da plataforma online utilizada para esta sessão agravou ainda mais a situação.

“Já na fase final da reunião da assembleia municipal e logo após uma intervenção do senhor Presidente da Câmara, o Dr. Pinto Moreira, os vogais foram confrontados com uma mensagem no chat da videoconferência” – informou o Partido Social Democrata, acrescentando que “a mensagem insultuosa, injuriosa e que põe em causa a dignidade pessoal do senhor Presidente da Câmara atenta (…) contra a dignidade de um órgão autárquico que se quer digno representante do Povo.”

No seu comunicado, os sociais-democratas fizeram notar que assim que o conteúdo escrito “apareceu no chat, os vogais reagiram com veemência à chocante mensagem e indigna conduta do seu autor, o senhor vogal João Carapeto, eleito pelo PS.” Segundo o Partido Social Democrata, foi feita uma interpelação direta à senhora presidente da mesa da assembleia em exercício, “que nada fez ou disse de modo a admoestar o vogal do Partido Socialista.”

Presidente da mesa da assembleia também é alvo de críticas

Após o aparecimento da mensagem na janela do chat da plataforma utilizada para esta sessão, “foi feita uma interpelação direta à senhora presidente da mesa da AM em exercício, que nada fez ou disse” – afirmou o grupo do PSD, adiantando ainda que depois de discutidos e postos a votação os restantes pontos do edital e já no encerramento da assembleia, a “senhora presidente da mesa em exercício decidiu (…) dar uma repreensão a todos os elementos os elementos que participaram na reunião.”

No comunicado dos sociais-democratas pode ler-se que os elementos deste partido não se revêm nesta reprimenda feita por Joana Devezas e que tentaram reclamar, mas a presidente da mesa “decidiu, simplesmente, desligar o seu contacto na videoconferência, deixando no ar a ideia de que todos os vogais da AM tiveram um comportamento reprovável” o que, na opinião do PSD, “não é verdade.”

PSD “repudia” ambas as atitudes do PS na assembleia

O grupo do Partido Social Democrata informou que “em concertação com a direção local do partido decidiu esperar uma manifestação do PS que, no mínimo, repudiasse o teor e o autor da mensagem em causa.” Na altura em que os sociais-democratas escreveram o seu comunicado e segundo o mesmo, “volvidas mais de 48 horas o Partido Socialista de Espinho nada mais fez que não fosse o remeter-se a um silêncio, dando cobertura à indigna conduta do senhor vogal e à falta de isenção da senhora presidente na condução dos trabalhos na AM.”

Não compactuando com “tais indignidades” e porque a presidente da mesa da assembleia “não teve uma única palavra de censura ao comportamento do senhor vogal João Carapeto”, o PSD considerou não restar “alternativa se não a de fazer público todos os factos e manifestar repúdio por ambas as atitudes.”

“O grupo do Partido Social Democrata comunica o seu enérgico repúdio quer à conduta do senhor vogal João Carapeto (…) e até ainda mais importante, à chocante tentativa de branqueamento do sucedido por parte da senhora presidente da mesa em exercício” – concluiu o PSD.