Lia Ferreira acusa o Executivo PSD de “desrespeito reiterado”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Emídio Sousa considera “uma perda de tempo” colocar os vereadores do Executivo permanente à procura de faturas específicas da “atividade normal” da Câmara

A discussão entre a vereação socialista e o Executivo permanente voltou a marcar um dos momentos da última Reunião de Câmara. A vereadora do Partido Socialista (PS), Lia Ferreira, entrou em desavenças com o presidente da Câmara Municipal, Emídio Sousa, e também com o vereador do Pelouro da Ação Social, Vítor Marques. Lia Ferreira disse que as faltas de respeito à vereação do PS têm sido recorrentes e, em particular, à sua pessoa.

Tudo começou no período Antes da Ordem do Dia, quando a vereadora Lia Ferreira solicitou um conjunto de pedidos de esclarecimento e informação ao Executivo PSD, lembrando outros requerimentos que ainda não lhe haviam sido respondidos.

Face às solicitações, nomeadamente sobre o pagamento específico de serviços por parte da Câmara, o presidente do Executivo, Emídio Sousa, afirmou não perceber qual seria a dúvida. A vereadora do PS esclareceu que pretendia saber qual o destino da aplicação destes serviços e para quais projetos. O edil afirmou que terão sido destinados a atividades da Educação ou de outro setor, dando nota ainda de que “quinzenalmente” é enviado o Mapa de Pagamentos com uma “série de folhas” de todas as despesas à oposição. “Se você tem dúvidas sobre uma fatura de mil e tal euros de um serviço qualquer… Qual é a dúvida, transparência?”, questionou o autarca.

Por Emídio Sousa ter “colocado as coisas nestes termos”, Lia Ferreira disse que não existia outra alternativa senão pedir o Caderno de Encargos relativamente a estes serviços. “Nós não questionamos as 25 páginas dos mapas de pagamento. Perguntamos, pontualmente, algumas dúvidas que surgem e a que o direito de Oposição nos assiste”, argumentou. O presidente da Câmara informou que, muitas vezes, os vereadores com assento permanente prescindem do seu tempo de “descanso e alimentação” para responder a estes pedidos. “Estar a colocar um vereador à procura da fatura A, B ou C, porque alguém acha que fotografia e vídeo tem de dizer se foi com o presidente ou com um aluno… Acho que é uma perda de tempo”, declarou.

Vereadora socialista procedeu à defesa da honra

Contudo, a desavença não ficou por aqui. Lia Ferreira abordou dois requerimentos que ainda não lhe haviam sido respondidos: um direcionado ao vereador António Topa Gomes, relativo às respostas enviadas no inquérito da Associação Nacional dos Municípios; e outro, a Vítor Marques sobre os apoios sociais. (…)

“Não volto a admitir que digam que as perguntas do PS são por uma questão de ego ou que tenho dupla personalidade” – Lia Ferreira, vereadora do PS

 

Leia mais na edição impressa ou digital do Jornal N.