Feira é um dos 47 concelhos em “risco extremamente elevado”

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Aulas suspensas nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro; ação de fiscalização do teletrabalho vai aumentar

 No dia em que Portugal ultrapassou as 250 mil infeções por Covid-19 e registou o maior número de internados nos cuidados intensivos desde sempre, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou as novas medidas do renovado Estado de Emergência, que se prolongará até 8 de dezembro. Assim, para todo o território nacional aplica-se:

  • Uso de máscara obrigatória no local de trabalho, salvo situações onde seja possível manter a distância;
  • Circulação entre concelhos proibida entre as 23h00 de 27 de novembro e as 05h00 do dia 2 de dezembro; e entre as 23h00 do dia 4 de dezembro e as 05h00 de 9 de dezembro, salvo as exceções já aplicadas durante o fim-de-semana de finados;
  • Atividades letivas suspensas nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro. Nesses dias os funcionários públicos têm tolerância de ponto e é recomendado às empresas privadas que dispensem os trabalhadores nesses dias.

O “mapa de risco” em Portugal, que cumpre critérios europeus, está agora dividido em quatro níveis: “risco extremamente elevado”, dentro do qual se encontram agora 47 concelhos; “risco muito elevado”, com 80 concelhos; “risco elevado”, com 86 concelhos e, por fim, “risco moderado”, no qual estão 65.

Segundo esse mapa, Santa Maria da Feira insere-se na lista dos 47 concelhos de “risco extremamente elevado” (mais de 960 casos por 100 mil habitantes), pelo que serão tomadas medidas adicionais, nomeadamente:

  • Proibição de circulação na via pública e encerramento de estabelecimentos comerciais entre as 13h00 e as 05h00 nos fins-de-semana e feriados (1 e 8 de dezembro);
  • Encerramento dos estabelecimentos comerciais a partir das 15h00 a 30 de novembro e 7 de dezembro.

 

As medidas gerais aplicáveis a todo o território nacional vão manter-se, nomeadamente o uso obrigatório da máscara na via púbica e num conjunto de espaços fechados. A novidade é que, a partir de agora, a máscara será também obrigatória nos locais de trabalho.

No final da intervenção do primeiro-ministro, foram ainda anunciadas medidas de apoio económico. Uma delas será o programa Apoiar.pt, no valor de 1.550 milhões de euros, estando previstos empréstimos de 750 milhões de euros e 160 milhões de euros a fundo perdido.