Termas reabrem portas a 28 de fevereiro com benefícios para munícipes feirenses

Ao abrigo do contrato-programa formalizado entre a Câmara de Santa Maria da Feira e a Sociedade de Turismo, as Termas de S. Jorge, que reabrem portas a 28 de fevereiro para a nova época termal, vão lançar um desconto exclusivo para residentes no concelho, que vem juntar-se ao benefício de isenção de pagamento da taxa de inscrição, implementado em 2021. No âmbito do mesmo contrato-programa, será lançado durante o mês de junho um projeto-piloto de termalismo social, dirigido a munícipes que se enquadrem nos critérios definidos.

Desde 2021 que todos os residentes no concelho estão isentos de pagamento da taxa de inscrição nas Termas de S. Jorge, no valor de 25 euros. A este benefício acresce agora um novo desconto de 15 por cento em tratamentos termais, aplicável a um programa terapêutico “Cura Termal” com um mínimo de 15 dias, mediante indicação médica. Ambos os benefícios são válidos para termalistas estreantes ou repetentes, durante toda a época termal, que decorre de 28 de fevereiro a 3 de dezembro.

Durante o mês de junho, a Sociedade de Turismo de Santa Maria da Feira, entidade gestora das Termas de S. Jorge, vai implementar, em estreita articulação com a Câmara Municipal, um projeto-piloto de termalismo social para residentes no concelho que, pela sua condição financeira e de saúde, necessitem de apoio para a frequência termal. Ao abrigo deste projeto, serão disponibilizados até 200 tratamentos termais de 15 dias, que poderão abranger crianças, seniores, doentes crónicos graves do foro músculo-esquelético e respiratório, bem como munícipes com acompanhamento nas áreas da saúde mental e saúde do cuidador.

“Ao facilitarmos o acesso dos nossos munícipes às Termas de S. Jorge, seja através da isenção da taxa de inscrição e de descontos em tratamentos termais, seja através de programas de termalismo social, estamos a investir na promoção da saúde das nossas populações”, sustenta o presidente da Câmara, Emídio Sousa, que elegeu a educação para a saúde e a qualidade de vida como áreas prioritárias de intervenção neste novo mandato, privilegiando a saúde preventiva sem descurar a curativa.

Para além dos benefícios municipais, os termalistas podem ainda usufruir da comparticipação termal do Sistema Nacional de Saúde, com dedução imediata de 35 por cento do valor da despesa termal (consulta e tratamentos), num limite de 95 euros por utente, ou da comparticipação por outros subsistemas, como a ADSE.