Joana Almeirante encantou Miguel Araújo e agora canta por todo o País

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Já conquistou o músico Miguel Araújo, e é a própria estrela de “Os Azeitonas” que avisa em concerto que vamos ouvir falar de Joana Almeirante. A voz, a beleza, a simplicidade e o talento não deixam dúvidas, a jovem de Escapães prepara-se para espantar o mundo. Mas, para já, faz-nos feliz em cada concerto com Miguel Araújo, com quem trabalha desde o início do ano.
 
Como é que a música entrou na sua vida?
Basicamente sempre soube, desde muito nova, que era música que queria seguir, e por volta dos 13 ou 14 anos comecei a tocar guitarra. Inscrevi-me na Escola de Musica de S. João da Madeira e, depois no 9º ano, decidi que queria estudar música e inscrevi-me no Conservatório de Música da Jobra, onde me formei como instrumentista de jazz, em guitarra.
 
E a voz? Agora canta com o Miguel Araújo…
Nunca foi um plano de futuro, nunca quis ser cantora. Mas no 12º ano, no espectáculo de final de ano, o artista convidado foi o Miguel Araújo e foi aí que começou o meu contacto com ele. Toquei uma música a abrir o espectáculo, juntamente com uma colega. Acho que foi aí que tudo surgiu…
 
Convidou-a logo para trabalhar com ele?
Não, o João Martins, que é director musical do Miguel também é nosso professor na escola, e estreei-me este ano na banda do Miguel Araújo.
 
E surpreendeu-a o convite aos 19 anos?
Foi inacreditável, para um músico entrar assim numa banda de elite, é inacreditável. Nós ambicionamos, mas nunca esperamos, pelo menos eu penso assim, há tanta gente a tocar tão bem…porque é que me ia convidar a mim?
 
Qual foi o primeiro espectáculo?
Foi em Famalicão, foram logo três espectáculos e foi uma experiência avassaladora…porque estava muita gente a assistir. Estava muito nervosa.
 
Foi preciso apoio dos músicos mais experientes?
Sim, claro, a equipa é fantástica, ajudaram-me em tudo o que precisei, sabiam que era muito nova, não sabia nada de estrada. Para um músico ter a oportunidade de tocar em estrada é completamente diferente, este verão estive em quatro sítios, em quatro dias diferentes, é bom ter pessoas que nos apoiam.
 
Leia mais na edição impressa do Jornal N